Bibliografia passiva

REIS, CARLOS, Diálogos com José Saramago. Lisboa, Caminho, 1998.

Indice.pdf
Introducao.pdf

Diálogo I.pdf
Diálogo II.pdf
Diálogo III.pdf
Diálogo IV.pdf
Diálogo V.pdf
Diálogo VI.pdf
Diálogo VII.pdf
Diálogos virtuais.pdf

Livros

AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, Buizoni Editore, 1996.

AAVV, Saramago. Braga, Feira do Livro, 1999.

AAVV, Diálogos Cervantinos – Encuentros con josé Saramago. Murcia, Fundación Cajamurcia, 2005.

AGUILERA, FERNANDO GÓMEZ, José Saramago: a Consistência dos Sonhos Cronobiografia. Lisboa, Editorial Caminho, 2008.

– José Saramago. La consistencia de los sueños – Biografía cronológica. Lanzarote, Fundación César Manrique, 2010.

– José Saramago en sus palabras (edição e selecção de Fernando Gómez Aguilera). Madrid, Alfaguara, 2010.

ALVES, CLARA FERREIRA, A Lisboa de Saramago. Festival dos Oceanos e Clara Ferreira Alves, 1999 (edição bilingue).

ARIAS, JUAN, José Saramago: O amor possível. Lisboa, Dom Quixote, 2000.

ARNAUT, ANA PAULA, José Saramago (coord. e nota prévia, Carlos Reis). Lisboa, Edições 70, 2008.

AZINHEIRA, TERESA; COELHO, MARIA DA CONCEIÇÃO, Uma leitura de «Memorial do Convento». 2a ed., Venda Nova, Bertrand, 1997.

BAPTISTA-BASTOS, José Saramago: a Aproximação a Um Retrato. 1.a ed., Lisboa, Dom Quixote, 1996.

BAPTISTA, FERNANDO PAULO, Polifonia, Poiese & Antropopoiese para uma Sinfónica do Humano (rapsódia diabólica com Sócrates, Octavio Paz, Michel Serres e José Saramago). Lisboa, Instituto Piaget, 2006.

BARRAL, M. LUÍS PEREIRA DO, O Que É o «Evangelho segundo Jesus Cristo» de José Saramago?. Braga, M. L. P. Barral (edição de autor), 1992.

BASTO, JOSÉ MOURA DE, Deus É Grande e José Saramago o Seu Evangelista. Lisboa, J. M. de Basto (edição de autor), 1993.

BASTOS, ADRIANO; CUNHA, MANUELA SALVADOR, Memorial do Convento – Uma proposta de análise. Lisboa, Editorial A Folha Cultural, 2005.

BERRINI, BEATRIZ, Ler Saramago: o Romance. Lisboa, Caminho, 1998.

BERRINI, BEATRIZ, José Saramago: uma homenagem. São Paulo, Educ – Editora da PUC – SP, 1999.

BESSE, MARIA GRACIETE, José Saramago e o Alentejo: entre o real e a ficção. Évora, Casa do Sul, 2008.

BLOOM, HAROLD, José Saramago (Bloom’s Modern Critical Views). Filadélfia, Chelsea House Publishers, 2004.

– The Varieties of José Saramago. Lisboa, Fundação Luso-Americana, 2002.

BORGES, ANTÓNIO JOSÉ, José Saramago – Da cegueira à lucidez. Sintra, Zéfiro, 2010.

BRAGA, ZAIDA; RAMOS, AUXÍLIA, Memorial do Convento – José Saramago. Lisboa, Ideias de Ler, 2009.

CARVALHO, ELEUTÉRIO DE, A saga de Cristo segundo a teomania: a propósito de «O Evangelho segundo Jesus Cristo» de José Saramago — à guisa de carta aberta ao autor — ma non troppo. Lisboa: E. de Carvalho, 1992.

CASTELO-BRANCO, MARIA DO CARMO; LEÃO, ISABEL PONCE, Os círculos da Leitura em torno do romance de Saramago, Memorial do Convento. Porto, Universidade Fernando Pessoa, 1999.

COELHO, MARIA DA CONCEIÇÃO; AZINHEIRA, MARIA TERESA, Memorial do Convento de José Saramago. Mem Martins, Publicações Europa-América, 1997.

COSTA, HORÁCIO, José Saramago. O Período Formativo. Lisboa, Caminho, 1997.

— Mar Aberto – Volume I, «Sobre a pós-modernidade em Portugal: José Saramago “revisita” Pessoa» (p. 113); «O romance português nos anos oitenta: José Saramago» (p. 120); «O ano da morte de Ricardo Reis» (p. 124); «Memorial do Convento» (p. 128); «A jangada de pedra» (p. 135); «História do cerco de Lisboa» (p. 138); «José Saramago e a tradição do romance histórico em Portugal» (p. 142). São Paulo, Lumme Editor, 2010.

DUARTE, HELENA VAZ, Provérbios segundo José Saramago. Lisboa, Edições Colibri/Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, 2006

EQUIPA SARAMAGUIANA DE INVESTIGAÇÃO EM TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA (AAVV, direcção Miguel Koleff, co-direcção María Victoria Ferrara), Diccionario de Personajes Saramaguianos. Buenos Aires, Santillana, Córdoba, Argentina, EDUCC, Editorial de la Universidad Católica de Córdoba, 2008.

FALCÃO, ALZIRA, Como abordar Memorial do Convento: proposta de estudo em 15 aulas. Porto, Areal Editores, 2002.

FERRAZ, SALMA, Ensaios: Saramago, Fernando Pessoa e Eça de Queiroz. São Paulo, Cone Sul, 1997.

FERRAZ, SALMA, O quinto evangelista: o (des) evangelho segundo José Saramago. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 1998.

FERRAZ, SALMA, A sagrada luxúria de criar. Porto Alegre, Edipucrs, 1999.

FILHO, ODIL DE OLIVEIRA, Carnaval no Convento: intertextualidade e paródia em José Saramago. São Paulo, Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993.

FOKKEMA, DOWE; BERTENS, HANS, International Postmodernism. Theory and Practice. Amsterdam/Philadelphia, John Benjamins, 1997.

FRIER, DAVID G., The Novels of José Saramago: Echoes from the Past, Pathways into the Future. Cardiff, University of Wales Press, 2007.

GONÇALVES, MARIA NEVES LEAL; REIS, FERNANDO EGÍDIO; SANTOS, MARIA MANUELA VENTURA, Memorial do Convento. O Texto em Análise. Lisboa, Texto Editores, 2007.

GROSSEGESSE, ORLANDO, José Saramago lesen. Werk – Leben – Bibliographie. Berlim, Walter Frey (Edition Tranvía), 1999; 2ª edição – actualizada e com novos materiais, 2009.

JACINTO, CONCEIÇÃO; LANÇA, GABRIELA, Análise da Obra Memorial do Convento. Porto, Porto Editora, 2008.

JÚLIO, MARIA JOAQUINA NOBRE, Memorial do Convento de José Saramago: subsídios para uma leitura. Lisboa, Replicação, 1999.

LAGO, MARIA PAULA, A Face de Saramago. Porto, Granito – Editores e Livreiros, 2000.

LEÃO, Isabel Vaz Ponce de, e CASTELO-BRANCO, Maria do Carmo, Os Círculos da Leitura (em torno do romance de Saramago, Memorial do Convento). Porto, Universidade Fernando Pessoa, 1999.

LOPES, João Marques, Biografia José Saramago. Lisboa, Guerra e Paz e Edições Pluma, 2010.

LUCAS, ANA MARIA; CORREIRA, FÁTIMA VIEIRA, «Memorial do Convento» de José Saramago: uma proposta de abordagem. Mem Martins, Sebenta, 1998.

ŁUKASZYK, EWA, Pokusa pustyni. Nomadyzm jako wyjście z kryzysu współczesności w pisarstwie Jose Saramago. Cracóvia, Universitas, 2005.

MARITANO, ALMA, REBOLACH, ALEJANDRO E BARAT, EBEL, Aproximación a la Narrativa de José Saramago (Tres abordajes). Argentina, Libros del Sur, 2009.

MARTINS, ADRIANA ALVES DE PAULA, História e ficção — Um diálogo. Sobre «História do Cerco de Lisboa». Lisboa, Ed. Fim de Século, 1994.

MARTINS, ADRIANA ALVES DE PAULA, SABINE, MARK, In Dialogue With Saramago: Essays in Comparative Literature. Manchester, Manchester Spanish & Portuguese Studies, 2006.

MARTINS, LOURDES CÂNCIO, CARVALHO, CÉLIA, SANTOS, PAULA PIRES e SILVA, HELENA, Reler Saramago – Paradigmas Ficcionais. Lisboa, Edições Cosmos, 2005.

MENDES, MANUEL VIEIRA, O Evangelho da história e o Jesus da fé, Contra as ficções romanescas de José Saramago. Porto, Livr. Fátima, 1990.

MOLINA, CÉSAR ANTÓNIO, Sobre el iberismo y otros escritos de literatura portuguesa. Madrid, Akal/Bolsillo, 1990.

MONIZ, ANTÓNIO, Para uma leitura de «Memorial do Convento» de José Saramago: uma proposta de leitura crítico-didáctica. Lisboa, Presença, 1995.

PARRA BAÑÓN, JOSÉ JOAQUÍN, Pensamento Arquitectónico na obra de José Saramago: Acerca da arquitectura da casa. Lisboa, Editorial Caminho, 2004.

PENHA, GISELA MARIA DE LIMA BRAGA, A jangada de pedra – uma viagem alegórica à poética de José Saramago. São Paulo, Editora UNESP, 2007.

PEREIRA, JOSÉ ALBINO (Organização e Notas), José Rodrigues Miguéis / José Saramago Correspondência 1959-1971. Lisboa, Editorial Caminho, 2010.

PICCHIO, LUCIANA STEGAGNO, José Saramago. Istantanee per un ritratto. Firenze, Ed. Passigli, 2000.

PIRES, CRISTINA SOFIA MONTEIRO DOS SANTOS, O Modo Fantástico e A Jangada de Pedra de José Saramago. Porto, Edições Ecopy, 2006.

PRUDÊNCIO, JOSÉ, Um céu e dois destinos: José Saramago e José Augusto França. Lisboa, Esfera do Caos, 2009.

RAMOS, ANA MARGARIDA, Memorial do Convento: da leitura à análise. Porto, Edições Asa, 1999.

REAL, MIGUEL, Narração, Maravilhoso, Trágico e Sagrado em Memorial do Convento de José Saramago. Lisboa, Caminho, 1996.

REIS, CARLOS, Diálogos com José Saramago. Lisboa, Caminho, 1998.

REIS, MANUEL, Crítica Necessária a José Saramago: a Falsa Questão Ateísmo-Teísmo. 1.a ed., Aveiro, Estante Editora, 1992.

RINGEL, MIRIAM, Viagem na Senda das Vozes – a Obra e a Vida de José Saramago. Jerusalém, Carmel Publishing House, 2009.

RÍO, PILAR DEL (ed.), José Saramago. Madrid, Ediciones de Cultura Hispânica, 1995.

ROANI, GERSON, No limiar do texto – literatura e história em José Saramago. São Paulo, Annablume, 2002.

– Saramago e a escrita do tempo de Ricardo Reis. São Paulo, Editora Scortecci, 2006.

SEIXO, MARIA ALZIRA, O essencial sobre José Saramago. Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1987.

– Lugares da ficção em José Saramago.O Essencial e Outros Ensaios. Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1999.

– A Viagem na Literatura. Mem Martins, Europa-América, 1997.

– Poéticas da Viagem na Literatura. Lisboa, Edições Cosmos, 1998.

SILVA, JOÃO CÉU E, Uma Longa Viagem com José Saramago. Lisboa: Porto Editora, 2009.

SILVA, TERESA CRISTINA CERDEIRA DA, José Saramago — entre a História e a Ficção: Uma Saga de Portugueses. Lisboa, Dom Quixote, 1989.

SOARES, MARIA ALMIRA, Memorial do Convento de José Saramago: um modo de narrar. Lisboa, Editorial Presença, 1999.

UMA VOZ CONTRA O SILÊNCIO, Lisboa: Editorial Caminho/ICEP/IPLB, 1998 (coordenação de Francisco José Viegas; edição em língua inglesa, A Voice against the Silence, Lisboa: Editorial Caminho/ICEP/IPLB, 1998).

VENÂNCIO, FERNANDO, A luz e o sombreado. Porto, Campo das Letras, 2000.

VENTURA, MÁRIO, Conversas. Lisboa, D. Quixote,1986.

Ensaios, artigos e notas de leitura

AAVV, «História e ficção em José Saramago», Vértice, II série, n.o 52, Janeiro-Fevereiro de 1993, pp. 5-38.

AAVV, «José Saramago» (coordenação de Pilar del Río), Semana do Autor, Madrid, 24-27 de Maio, 1993, Agência Espanhola de Cooperação Internacional, Ediciones de Cultura Hispanica.

AAVV, «Ensaio sobre a cegueira de José Saramago», Universidade de Brasília (Departamento de Teoria Literária e Literaturas) Cadernos de Estudos Universitários— CEU, n.o1, 1997.

ABRAHAMSSON, ORJAN, «Laureado deste ano: um narrador “Saramágico”», Gotemburgo, Göteborgs Tidning, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões,Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o3, Outubro-Dezembro de 1998, pp.17-18.

ABREU, MARIA FERNANDA DE, «Literatura del análisis humano — Manual de Pintura e Caligrafia», Madrid, Reseña,n.o 107, Julho/Agosto 1977, p. 13-14.

— «José Saramago: la revelación tardia de un gran narrador», Reseña, n.o 165, Junho de 1986.

AGUIAR E SILVA, VITOR, «Metáfora da miséria e da esperança humanas no Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 77-93.

ALFAYA, JAVIER, «O compromisso moral e político na obra de José Saramago ou um leitor espanhol perante Saramago», Vértice, II série, n.o 52, Jan./Fev. de 1993, pp. 23-27.

— «Jesuscristo según la razón», El Mundo, 6 de Junho de 1992. – «¿Será verdad…?», Badajoz Espacio/Espaço escrito, n. o 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 157-158.

ALMEIDA, GERMANO DE, «Inventar a escrita», Jornal de Letras, Artes e Idéias, no732, 21 de 6 Outubro de 1998, p. 14.

ALVES, CLARA FERREIRA e OCHOA, RUI, «Crónica de uma ópera anunciada», Expresso, a revista, 26 de Maio de 1990. pp. 4-7.

ALVES, CLARA FERREIRA, «O cerco a Saramago», Expresso, a revista, 22 de Abril de 1989, pp. 60- 64.

— «Levantado a pulso», Expresso, a revista, no 1354. 10 de Outubro de 1998, p. 12. – «A ode triunfal», Expresso, a revista, n.o 1355, 17 de Outubro de 1998. Rep. in AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp.15-23.

ALVIM, PEDRO, «Memorial do Convento: Uma personagem chamada língua portuguesa», Diário de Lisboa, supl. Literário Ler Escrever, no 89, 17 de Dezembro de 1982, pp. 3-4. Rep. em 14 de Abril de 1988, p. 2.

ANDRADE, ANA LUÍSA, «O fantasma oculto de José Saramago: [a propósito da morte de Ricardo Reis]», Jornal de Letras. Artes e Ideias, no 250, 20-26 Abr. 1987, p. 16.

ANUNCIAÇÃO, PAULO, «Amargo Saramago», O Independente, supl. Vida 3, n.o 157, 17 de Maio de 1991, pp. 13-14.

ARENAS, FERNANDO, «Intertextos “Onde o mar acaba”: O ano da morte e Ricardo Reis de José Saramago», Lucero: A Journal of Iberian and Latin American Studies, 1 (1990), pp. 33-47.

ARNAUT, ANA PAULA, «Todos os nomes: o memorial de José», Artes & Artes, n.o 9, Abril de 1998, p. 14.

ATKIN, RHIAN, «Are You Sitting Comfortably? Reading Saramago Aloud», in Ellipsis, 6, pp. 107-22, 2008.

— «From Theseus to Daedalus: Saramago, Sr. José and the Reader in the Labyrinth of “Todos os Nomes”», in Portuguese Studies, 23: 2, pp. 191-207, 2007.

AUFFERMAN, VERENA, «Weiße nacht». Die Zeit, 17 de Outubro de 1997.

AVELAR, IDELBER (Duke University) «O ano de 1993: sobre as ruínas da anti-utopia», Letras & Letras, no 99, 21 de Julho de 1993, pp. 39-42.

AVELAR, NELLO, «Un’ affollata solitudine: José Saramago e la publicista italiana». In AAVV, José Saramago. IL oaguguo (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 211-232.

AVILLEZ, MARIA JOÃO, «José Saramago: assim renasceu Bilmunda», Público, magazine, no 434, 12 de Maio de 1991, pp. 19-22.

AYALA-DIP, J. ERNESTO, «La Lisbona de un heterónimo», Barcelona, Quimera, n.o46/47. [s/d.]

AZEVEDO, LEODEGÁRIO, «Saramago ou a ficção que reinventa a história», Letras & Letras, n.o 44, 3 de Abril de 1991, p. 11.

BALLESTER, GONZALO TORRENTE, «Saramago», Badajoz Espacio/Espaço escrito, n.o 9 y 10, Inverno de 1993/94, p. 133.

BAPTISTA-BASTOS, «Memorial do convento, de José Saramago. Uma visão prometeica e trágica», Diário Popular, n.o 13 954, 7 de Fevereiro de 1983, p. 23. – «Da inveja ao amor». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 11-13.

BARADEZ, FRANÇOIS, «A longa caminhada», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 10. 7- «Sombra e sol», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 14.

BARBAS, HELENA, «José Saramago, O Evangelho segundo Jesus Cristo», O Independente, supl. Vida 3, n.o186, 6 de Dezembro de 1991, p. 23. – «Em nome de Saramago», O Independente, n.o255, 2 de Abril de 1993, pp. 54-55.

BARBOSA, JOSANE FÁTIMA, «As construções paralelas em “refluxo” de José Saramago». In Duarte, Lélia Parreira, Ironia e humor na literatura. (Cadernos de Pesquisa n.o 15). Belo Horizonte:FALE/UFMG, 1994, pp. 20-27.

BARICCO, ALESSANDRO, «Saramago e la musica di un rito smarrito», Linea d’ombra, Dezembro de 1988, pp. 24-25.

BARREIRA, CECÍLIA, «Uma reinvenção de Deus», Diário de Notícias, supl. revista de livros, 17 de Novembro de 1991, p. 5.

BATISTA, ABEL BARROS, «O tubo de cola, Saramago e a ideia de autor», Ler, n.o 43, Verão-Outono de 1998, pp. 92-95.

BERRINI, BEATRIZ, «A vida no encalço da ficção», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 431, 9 de Outubro de 1990, p. 15. – «Olhos que sabem ver e comunicar», Jornal de Letras, Artes e Ideias, no 690, 26 de Março de 1997, p. 16.

BÉRTOLO, CONSTANTINO, «Alfa y omega de Saramago», El País, supl. Libros, 13 de Agosto de 1989, p. III.

BESSE, MARIA GRACIETTE, «A jangada de pedra de José Saramago: l’errance et l’utopie», Bruxelas, La lusophonie: Voies/Voix océaniques, colóquio internacional, 1997 (no prelo).

BEVILACQUA, ALBERTO, «Cent’anni di furore. E polvere. 1 dannati dell’Alentejo: sottoproletari a macondo», Corriere della sera, 29 de Março de 1992, p. 5.

BLANCO-VILA, Luís, «José Saramago: el triunfo de la quimera», Madrid, Ya, l4de Fevereiro de 1986.

BOERO, MARIO, «La cristologia de José Saramago en El Evangelio según Jesuscristo», Estudios Franciscanos, n.o 95, 1994, pp. 187-194.

BOSQUET, ALAIN, «L’art des excès», Magazine Littéraire, n.o 241, Abril de 1987.

BUESCU, HELENA CARVALHÃO, «O nome da escuridão do mundo: uma leitura de Todos os Nomes, de José Saramago». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 45-51.

BRAGA, INÊS, «José Saramago: O Ano da Morte de Ricardo Reis», Porto, Persona (Revista publicada pelo Centro dos Estudos Pessoanos), n.o 11-12, Dezembro de 1985.

BRILHANTE, MARIA JOÃO, «José Saramago: A segunda vida de Francisco de Assis», Colóquio-Letras, n.o 101, Janeiro-Fevereiro de 1988, pp. 124- 125.

BRODE, HANSPETER, «Luftschiff, pomp und scheiterhaufen», Frankfurter Allgemeine Zeitung — 8 Literatur, n.o 230, 4 de Outubro de 1986.

BULGER, LAURA FERNANDA, «Saramago na Portucalense», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 12.

BUSCHAMANN, ALBRECHT, «Um realista com a coragem para o fantástico», Berlim, Die Welt, 9 de Outubro de 1998. Repr. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 45.

CABRAL, EUNICE, «A protagonista e o seu duplo», Público, supl. Leituras, 29 de Novembro de 1997, p. 6.

CAMPOS PAMPANO, ANGEL (tr.), «El año de 1993», Madrid, Revista de Occidente, 163 (1994), pp. 110-114.

CARVALHO, ANTÓNIO, «Saramago dá vida a Ricardo Reis», A Capital, 26 de Novembro de 1984, p. 32.

CARVALHO, ARMANDO SILVA, «As nuvens fechadas», O Diário, supl. cultural, n. o 2286, 6 de Fevereiro de 1983, p. 5.

CARVALHO, FAUSTO LOPO DE, «Um cristo muito mais cristão», Jornal de Letras, Artes e Ideias,n. o 520, 23 de Junho de 1992, p. 10.

CASTRO, SÍLVIO, «Andamento espaço-temporal como descoberta em Viagem a Portugal». In AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 101-119.

CATTANEO, CARLO VITTORIO, «Memoriale del Convento», Expresso, a revista, 1 de Setembro de 1984, p. 6.

CECCUCCI, PIERO, «L’utopia saramaghiana come progetto della storia umana». In El Girador (a cura di G. De Cesare e s. Serafim), Roma: Ed. Buizoni, 1993, pp. 209-211.

— «La cittá ritrovata. Una “frincha de esperança”, in Ensaio sobre a Cegueira». In AAVV, José Saramago. Ii bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 177-189.

CIOTTA, RITA, «La colpa di Giuseppe e il dolore di Gesù in un Vangelo senza buona novella», Il Manifesto, 27 de Dezembro de 1991.

CIRILLO, T., «Il doppio specchio delle finzioni», II Mattino, 7 de Janeiro de 1986.

CLAVEL, ANDRÉ, «Le roi fou et le Dieu manchot», Le Matin, supl., 24 de Março de 1987.

COELHO, MARCELO, «Saramago devia ser canonizado», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 8 de Janeiro de 1992.

COLÓQUIO/LETRAS n.o151-152, Jan.-Jun., 1999

COMUNICADO DA ACADEMIA SUECA: «Arte romanesca», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 4. O texto integral do comunicado da Academia Sueca encontra-se também em Vértice, II série, n.o 87, Nov.-Dez. 1998. 9

CORREIA, MARGARIDA SÉRVULO, «A alegoria das vontades», Diário de Notícias, n.o 41 883, supl. Revista de Livros, 9 de Novembro de 1983, p. IV.

CORTANZE, GÉRARD, «Aquele que canta Portugal e os seus mitos», Le Figaro, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 39-40.

COSTA, GERMANO DA, «La inmortal heteronimia», Madrid, La gacete dei libro, l.a quinzenza de Julho de 1985.

COSTA, HORÁCIO, «El año de la muerte de Ricardo Reis», Cidade do México, Vuelta, n.o 115, Junho de 1986.

— «Memorial del convento», o diário, n.o 275, 21 de Outubro de 1986, e in Vuelta, n.o 121, Dezembro de 1986, pp. 57-59.

— «A jangada de pedra», o diário, supl. cultural, n.o 3811, 6 de Junho de 1987, p. 4, e in Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 27 de Abril de 1988.

— «O lugar de José Saramago na literatura contemporânea», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 27 de Abril de 1988.

— «O essencial sobre José Saramago, de Maria Alzira Seixo», Colóquio-Letras, n.o 107, Janeiro-Fevereiro de 1989, pp. 98-99.

— «Os cordões do imaginário daquém e dalém-mar», São Paulo, Revista USP, n.o7, Setembro de 1990.

— «Sobre a pós-modernidade em Portugal: Saramago revisita Pessoa», Colóquio-Letras, n.o109, Maio-Junho de 1989, pp. 41-48. Também publicado nas Actas do IV Congresso Internacional de Estudos Pessoanos – Secção Brasileira (volume 1), Porto: Fundação Engenheiro António de Almeida, 1991, pp. 333-342.

— «Sobre la postmodernidade en Portugal: Saramago “revisita” a Pessoa», México, Acta Poética, n.o 12, Primavera de 1991.

— «História del Cerco de Lisboa, de José Saramago: posibilidades de la ficcíon», México, Seminário Cultural de Novedades, n.o 468, 7 de Abril de 1991.

— «José Saramago y la tradiccíon de la novela histórica en Portugal», México, Revista de la Biblioteca de México, n.o 11-12, Dezembro de 1992. Publicado in Revista Lusobrasilica, n.o 2, 1996, Roma, em número especial dedicado a Saramago). Rep. in AAVV, José Saramago. 11 bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 7-23.

— «Os textos experimentais de José Saramago». In Singularidades de Uma Cultura Plural (Actas do XIII Encontro Brasileiro de Professores de Literatura Portuguesa»), Universidade Federal de Rio de Janeiro: Fundação Calouste Gulbenkian, 1992, pp. 538-543.

COSTA, Linda Santos, «O Cristo segundo Saramago», Público, ed. Lisboa, no 635, supl., 29 de 10 Novembro de 1991, p. 15. – «Trocar de rosa», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 359, 23 de Maio de 1989, pp. 16-17. -«A cegueira de Deus», Público, supl. Leituras, n.o 2066, 4 de Novembro de 1995, p. 3.

CRESPO, ANGEL, «Una aventura personal», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 e 10, Inverno de 1993/94, pp. 141-143.

DACOSTA, FERNANDO, «Perfil: Levantado da ficção», Visão, Ed. especial Nobel 98, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 12-17.

DALFARRA, MARIA LÚCIA, «Para uma “biografia” de um monárquico sem rei: Ricardo Reis». Cópia manuscrita do ensaio.

DANIEL, MARY L., «Ebb and Flow. Place as Pretext in the Novels of José Saramago», University of Wisconsin, Luso-Brasilian Review, vol. 27, n.o 2, Inverno de 1990.

— «Symbolism and synchronicity: José Saramago’s Jangada de Pedra», The American Association of Teachers Spanish, Hispania, vol. 74, 1991, pp. 536-41.

DEVESON, TOM, «A plague on all their houses», The Sunday Times, books section, 4 de Janeiro de 1998, p. 9.

DOMINGUES, FREI BENTO, «Um reencontro com o Evangelho», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 732, 21 de Outubro de 1998, p. 15.

DUARTE, L. P.; MALARD, L.; MIRANDA, W. M., «José Saramago, tecedor da história», Belo Horizonte: FALE/UFGM, Boletim do Centro de Estudos Portugueses, n.o 12, 1998, pp. 90-100.

DUARTE, LÉLIA PEREIRA, «Levantado do Chão, de José Saramago», Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFGM, Boletim do Centro de Estudos Portugueses, n.o 7, Janeiro-Julho de 1982, pp. 85- 89. Também in Letras de Hoje. Porto Alegre, PUC-RGS, vol. 15, n.o 1, pp. 133-143.

— «Um Nobel da era da comunicação», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 26-41.

DREWS, JÖRG, «Und sie bewegt sich doch», Süddeutsche Zeitung, supl. Literatur, n.o 276, 1-2 de Dezembro de 1990.

— «Die humanität fordert einen mord», Süddeutsche Zeitung, 15 de Outubro de 1997.

DURAN, CRISTINA RUAIX, «Jesus Cristo sem “clichés”», O Jornal, n. o 872, 8 de Novembro de 1991, p. 32.

EDER, RICHARD, «An aftertaste of iberian unreality. The year of death of Ricardo Reis», Los Angeles Times, 30 de Dezembro de 1990.

— «Saramago: um leitor feroz», Público, 3 de Fevereiro de 1994.

— «Saramago: um humor feroz», exclusivo Público/Los Angeles Times, in Público, 5 de Fevereiro de 1994, p. 3.

— «Continental drift», Los Angeles Times, 28 de Maio de 1995.

— «Raimundo’s rebellion», Los Angeles Times, 25 de Maio de 1997.

— «Sight unseen», Los Angeles Times, 6 de Setembro de 1998.

EDITORIAL, «Uma escolha nobre», Copenhague, Berlingske Tidende, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 54.

— «O Evangelho segundo Saramago», Semanário, n. o 378, 20 de Novembro de 1991, pp. 3-4.

FANO, Nicola, «Il mondo in mano a un correttore di bozze», L’ Unitá, 23 de Outubro de 1990.

FARIA, Duarte, «José Saramago: Levantado do chão», Colóquio-Letras, n.o 61, Maio de 1981, pp. 79- 80.

FARINA, SÉRGIO, «A Jangada de Pedra: o mito de uma viagem da identidade», in Anais do XIV Encontro de Professores Universitários Brasileiros de Literatura Portuguesa, CECLIP/CPGL – EDIPUCRS, Porto Alegre, 1994, pp.489-502.

FERNANDEZ, JUANJO, «El laberinto de un heterónimo», Barcelona, La Vanguardia, supl. Libros, 10 de Outubro de 1985.

FERREIRA, SERAFIM, «Um olhar crítico e irónico sobre a história», o diário, 24 de Junho de 1989, pp. 14-16.

FINAZZI-AGRÓ, ETTORE, «Il circolo terribile: I raggiri del senso nella História do Cerco de Lisboa». In AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 121-136.

FOKKEMA, DOWE, «How to decide whether Memorial do Convento by José Saramago is or not a post-modernist novel?», Lisboa, Dedalus, n o 1, Dezembro de 1991, pp. 292-303.

FORREST, GENE STEVEN, «The Dialectis of history in two dramas of José Saramago», Hispanófila, 36 (1992), pp. 52-68.

FRANÇA, JOSÉ-AUGUSTO, «As boas razões», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 737, 30 de Dezembro de 1998, p. 17.

FRIER, DAVID, «Ascent and consent: hierarchy and popular emancipation in the novels of José Saramago», Liverpool University, Bulletin of Hispanic Studies, vol. 71, no1, Janeiro de 1994, pp. 125-138.

— «Recuperar o Passado, Recuperar-se do Passado em Levantado do Chão e “Cadeira“, de José Saramago”, in Paulo de Medeiros e José Ornelas (eds.), Da Possibilidade do Impossível: Leituras de Saramago, Utrecht: Utrecht Portuguese Studies in Portuguese Literature and Culture, N.o 2, pp. 99-117, 2007.

— «Rhetoric and Context in Saramago’s Levantado do Chão», in Patrícia I. Vieira (ed.), CLCWeb: Comparative Literature and Culture, Vol. 11, N.o 3 (September 2009: special issue on Politics and Identity in Lusophone Literature and Film), http://docs.lib.purdue.edu/clcweb/vol11/iss3/.

— «Kant you see? Fictions of Blindness in Saramago and H. G. Wells», in Francisco Cota Fagundes e Irene F. Blayer (eds.), Tradições Portuguesas/ Portuguese Traditions in Honor of Claude L. Hulet San José, CA: Portuguese Heritage Publications, pp. 283-298, 2007.

— «Of False Dons and Missed Opportunities, or How Calisto Elói and Ricardo Reis Failed Portugal», in Adriana Martins e Mark Sabine (eds.), In Dialogue with Saramago: Essays in Comparative Literature, Manchester: Manchester Department of Spanish and Portuguese Studies 18, pp. 37-55, 2006.

— «Por qué 1936 tuvo que ser El año de la muerte de Ricardo Reis», in Victorino Polo García (ed.), Diálogos Cervantinos: Encuentros con José Saramago, Murcia: Fundación Cajamurcia, pp. 117-28 2005.

— «Outline of a Newer Testament: Saramago’s O Evangelho Segundo Jesus Cristo», in Modern Language Review, Vol. 100, N.o 2 (Abril de 2005), pp. 367-82.

— «Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão: Inspiration for Memorial do Convento?», in Romance Quarterly, Vol. 50, N.o 1 (Inverno de 2003), pp. 56-68.

— «José Saramago, Blindness», in Joyce Moss (ed.), Literature and its Times, Detroit: Gale Group, pp. 63-71, 2002.

— «Viagem Para as Ilhas do Sul: Uma Leitura de A Caverna de José Saramago», in Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, N.o 5, pp. 41-53, 2002.

— «“Aqueles que por Obras Valerosas/Se Vão da Lei da Morte Libertando”: Names, Knowledge and Power in Portuguese Literature from the Renaissance to Saramago», in Mester, Vol. XXXI, pp. 112-33, 2002.

— «José Saramago, Baltasar and Blimunda», in Joyce Moss (ed.), Spanish and Portuguese Literature and its Times, Detroit: Gale Group, pp. 25-35, 2001.

— «Righting Wrongs, Re-Writing Meaning and Reclaiming the City in Saramago’s Blindness and All the Names», in Portuguese Literary and Cultural Studies, N.o 6 (Primavera de 2001), pp. 97-122.

— «“Tan largo me lo fiáis”: Saramago’s Ricardo Reis as a Don Juan manqué», in Andrew Ginger, John Hobbs e Huw Lewis (eds.), Selected Interdisciplinary Essays on the Representation of the Don Juan Archetype in Myth and Culture (Proceedings of the Symposium on «Don Juan: the Rebel Tamed?»), Lewiston, NY, The Edwin Mellen Press, pp. 245-264, 2000.

— «José Saramago’s Stone Boat: Celtic Analogues and Popular Mythology», in Portuguese Studies, Vol. 15, pp. 194-206, 1999.

— «“In the Beginning Was the Word”: Text and Meaning in Two Dramas by José Saramago», in Portuguese Studies, Vol. 14, pp. 215-226, 1998.

— «Agouros e Oportunidades: A Jangada de Pedra de José Saramago e o País Desconhecido», in Actas do Quinto Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas (Universidade de Oxford, 1 a 8 de Setembro de 1996), (3 Vols. Oxford e Coimbra: Associação Internacional de Lusitanistas, 1998), II, pp. 713-720.

GANDRY, FRANÇOIS, «L’oeuvre de José Saramago», Lire le Portugal, n.o 5, Novembro de 1994, p. 3.

GARCIA-POSADA, MIGUEL, «La balsa de piedra», ABC, supl. Literario, 10 de Outubro de 1987, p.IV.

— «Historia del cerco de Lisboa», ABC, supl. Literario, 7 de Abril de 1990, p. III.

— «El Evangelio según Saramago», El País, supl. Babelia, 30 de Maio de 1992, p. 15.

— «El viaje sin fin», El País, 10 de Outubro de 1995.

— «Los Avatares de Saramago», El País, supl. Babelia, 5 de Julho de l997, p. 11. 12.

— «A ética como princípio criativo», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 27-28.

GASTÃO, ANA MARQUES, «“Todos os Nomes de José Saramago”», Diário de Notícias, n.o 47316, 9 de Outubro de 1998, p. 8.

GENZMER, HERBERT, «Monolith des dunkels order: das buch einer gewaltingen verzweiflung», Frankfurter Runschau, 15 de Outubro de 1997.

GEORGE, JOÃO PEDRO DA SILVA MARQUES DE AVELLAR, «O caso Saramago: a exclusão do Evangelho segundo Jesus Cristo da candidatura ao Prémio Literário Europeu (1992)», in O campo literário em Portugal (1960-1995): Prémios Literários, escritores e acontecimentos. Universidade Nova de Lisboa — FCSH, 1998. (Tese de Mestrado; policopiada).

GILMOUR, DAVID, «Adrift in Iberia», The New York Review, 5 de Outubro de 1995, pp. 35-36.

GOMES, ANTÓNIO MARTINS, «A última tentação de Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n. o 499, 28 de Janeiro de 1992, p. 13.

GONÇALVES, ARTUR RIBEIRO, «A última “ode” de Ricardo Reis entre Pessoa/Saramago», Diário de Noticias, supl. cultural, 14 de Feveiro de 1985, p. 28.

GROSSE, MAX, «Augen in einem meer aus milch», FrankfurterAllgemeine Zeitung, supl. Literatur, 14 de Outubro de 1997.

GUARDIOLA, NICOLE, «José Saramago: “La felicidad es posible”», El País, supl. Libros, 22 de Setembro de 1985.

GUARINO, AUGUSTO, «José Saramago: Memoriale del convento», Milão, Uomini e Libri, n.o 100, Setembro-Outubro de 1984, p. 26. – «José Saramago: La zattera di pietra», Uomini e Libri, n.o 122, Janeiro-Março, 1989.- «Crociate riscritte», Roma, 28 de Janeiro de 1991.

GUEDES, MARIA ESTELA, «A culpa de José», Diário de Notícias, n .o 44 826, supl., 15 de Dezembro de 1991, p. 5.

GUSMÃO, MANUEL, «Lendo Saramago», Avante!, 29 de Outubro de 1998, p. 24

— «Linguagem e história segundo José Saramago», Vida Mundial, 10 de Novembro de 1998, pp. 12- 15. Repr. in A voice against the silence. Versão portuguesa, Uma Voz contra o Silêncio) Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 22-27.

— «O sentido histórico na ficção de José Saramago», Vértice, II série, n.o 87, Novembro-Dezembro de 1998, pp. 7-22.

— «Linguagem plurivocal», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 737, 30 de Dezembro de 1998, p. 15.

HARCOURT, BRACE JOVANOVICH, «The year of the death of Ricardo Reis», Ler. Special Edition Frankfurt ‘97, Outubro de 1997, pp. 16-17.

HATHERLY, ANA, «José Saramago: O Ano de 1993», Lisboa Colóquio-Letras, n.o 31, Maio de 1976, 13 pp. 87-88.

HATTON, BARRY, «Saramago arrecada Prémio Nobel de Literatura», Nova Deli, The Asian Age, 9 de Outubro de 1998. Rep. parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 74-75.

HAUBRICH, WALTER, «Der weg in die dunkelheit: wenn die welt zur weissen wand wird», FrankfurterAllgemeine Magazin, n.o 920, 17 de Outubro de 1997, pp. 12-18.

HELENA, LÚCIA, «Literatura e projeto cultural: o fato em ficção», Selecta: Journal ofthe Pacífic Northwest Council on Foreign Languages, 11(1990), pp. 64-68.

HOPKINSON, AMANDA, «Blindness by José Saramago», The Índependent, eye section, 26 de Novembro de 1997, p. 5

HUICI, ADRIAN, «Historia y ficción en Historia del cerco de Lisboa». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 137-161.

JACOBETTY, LUÍSA, «Memorial de Blimundo», O Independente, supl. Vida 3, n.o157, 17 de Maio de 1991, pp. 10-13.

JORGE, N., «Passado e presente num excerto de As Pequenas Memórias de José Saramago», Anais do Congresso Internacional Linguagem e Interação II (7-9 de Junho). São Leopoldo/Brasil: UNISINOS, 2010. (Publicação em CD-Rom)

JOSIPOVICI, GABRIEL, «Son of God tries to outwit his mad father», The Independent, 11 de Setembro de 1993, p. 31.

JÚDICE, NUNO, «José Saramago: le roman à la place de toutes les ruptures», Paris, L’Atelier du Roman, n.o13, 1987 1988. JUNIOR, BENJAMIN ABDALA, «O imaginário político em A jangada de pedra, de José Saramago», Letras & Letras, n.o 12, 1 de Dezembro de 1988.

JUNKES, LAURO, «Memorial do convento», A Gazeta, 27 de Novembro de 1983.

JURISTO, JUAN ANGEL, «Recital de música barroca», Madrid, Diario 16, 21 de Fevereiro de 1986.

KAUFMAN, HELENA, «A Metaficção Historiográfica de José Saramago», Colóquio-Letras, n.o 120, Abril-Junho de 1991, pp. 124-136. – «Evangelical thruths: José Saramago on the life of Christ», New York, Revista Hispánica Moderna, 47 (1994), pp. 440-58.

KERRIGAN, MICHAEL, «The I of Saramago», Times Literary Supplement, 19 de Dezembro de 1997, p. 20.

KREKELER, ELMAR, «Gehen wir zum könig, verlangen wir ein schiff», Die Welt, 5 de Dezembro de 1998.

KUHN, CRISTOPH, «Das kloster, die seherin, der einhändige – und das königliche gelübde», Zurique, Tages – Anzeiger, 28 de Agosto de 1986.

LAGES, MARGARIDA, «Amor e lenda em cenário de pedra», Lisboa, Espaço, n.o 1, Janeiro de 1984.

LANCIANI, GIULIA, «Os universais irredutíveis de José Saramago», Vértice, II série, n.o 52, Janeiro- Fevereiro de 1993, pp. 13-16. Rep. in AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 63-71.

LANDERO, LUÍS, «Uno no sabe», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 15 1-152.

LEAL, MARIA LUÍSA, «Viagem A Portugal: os passos do viajante», in Colóquio/Letras, n.os 151-152, Jan.-Jun. 1999, pp. 191-204.

LEPECKI, MARIA LÚCIA, «Arqitectura e Música», Expresso, a revista, 14 de Maio de 1983, p. 35.

— «Levantado do Chão: história e pedagogia», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 18, 27 de Outubro de 1981, pp. 12-13. Revisto in Sobreimpressões. Lisboa: Caminho, 1988, pp. 83-95.

— «Levantado do Chão: espaços e movimentos», Diário de Lisboa, 28 de Janeiro de 1982. Revisto Sobreimpressões. Lisboa: Caminho, 1988, pp. 95-112.
LETIZIA, MARIE-EVE, «O lugar da mulher dentro do espaço e o processo da sua conscientização através da narrativa Levantado do Chão de José Saramago», Taíra (Grenoble: Centro de Recherche et d’Etudes Lusophones et Intertropicales), n.o 3, 1991, pp. 157-176.

LIMA, ISABEL PIRES DE, «José Saramago, uma “figura” europeia», Letras & Letras, n.o 49, Junho de 1991, p. 9.

— «Viagem e momento: espaço e tempo n’A Jangada de Pedra, de José Saramago», Vértice, n.o 6, Setembro de 1988, pp. 31-35.

LIPARULO, TERESA, «Bibliografia sobre José Saramago», in Vértice, n.o 91, Jul.-Set. 1999.

LIPSZYC, SARA, «José Saramago a partir de su propia vida», Suplemento Literario La Nación, 21 de Janeiro de 1996, pp. 11-15.

LISTOPAD, JORGE, «Os anos fechados de José Saramago», Diário de Notícias, n.o 42 544, 10 de Setembro de 1985, p. 44.

LOPES, ANTÓNIO, «Evangelho segundo Saramago», Expresso, 28 de Dezembro de 1991.

LOPES, ÓSCAR, «In nomine Dei, de José Saramago». In A Busca de Sentido, 2.a ed., Lisboa: Caminho, 1996.

— «José Saramago». In Os Sinais e os Sentidos — Literatura Portuguesa do Século XX. Lisboa: Caminho, 1986, pp. 195-200. Rep. dos textos sobre Memorial do Convento e O ano da morte de Ricardo Reis in O Diário, supl. cultural, 26 de Janeiro de 1986, pp. 6-9.

— «Um Nobel levantado do chão», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 737, 30 de Dezembro de 1998, pp. 14-16.

LOPES, VERA, «História do Cerco de Lisboa: uma leitura anárquica da História», Belo Horizonte: Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 6 1-70.

LOSADA, BASILIO, «Um universo ético», El Mundo, 10 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 33-34.

— «Una voz ibérica», Liber, revista europea de libros, n.o 3, Fevereiro de 1990, pp. 3-4.

LOURENÇO, ANTÓNIO APOLINÁRIO, «José Saramago, a falácia do romance histórico», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 399, de 26 de Fevereiro a 5 de Março de 1990, p. 9.

— «História, ficção e ideologia. Representação ideológica e pluridiscursividade em Memorial do Convento», Vértice, II série, n.o 42, Setembro de 1991, pp. 69-78.

— «Crónica do ano da peste», Diário de Lisboa, 28 de Janeiro de 1988.

— «O cerco da escrita», Diário de Lisboa, supl. Cultura e Espectáculos, 31 de Agosto de 1989.

LOURENÇO, EDUARDO, «Memorial, terrestre e divino», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 412, 29 de Maio de 1990, p. 24.

— «Saramago: um “Teólogo” no fio da navalha», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 125-131.

— «Sobre Saramago». In O canto do signo. Existência e Literatura. 1.aed., Lisboa: Ed. Presença, 1994, pp. 180-195.

LUCAS, FÁBIO, «Pós-crítica: poliedro português», Colóquio-Letras, n.o 120, Abril-Junho de 1991, pp. 165-174.

LUNETTA, MARIO, «Quel cronista neutrale», Il Messagero, 9 de Outubro de 1984.

— «mille storie di ordinaria violenza», Il Messagero, 26 de Fevereiro de 1986.

MACHADO, MARIA LÚCIA, «Um bom romance histórico, escrito com arte e prazer», A Folha de São Paulo, 10 de Dezembro de 1983.

MACNAB, GREGORY, «A Interface História-Invenção em Três Romances de José Saramago», Revista Letras, vol. 38, 1989.

MADRUGA, CONCEIÇÃO, «Blimunda e os olhares excessivos», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 8.

MADUREIRA, NUNO LUÍS, «História/Ficção: o abolir de fronteiras?», Diário de Lisboa, supl. Ler/Escrever, 22 de Setembro de 1983. pp. 3-4.

MAGRIS, CLAUDIO, «Saramago racconta Ricardo Reis: 1’Ulisse Portoghese, eroe di carta», Corriere della Sera, 17 de Maio de 1986.

MARTINHO, FERNANDO J. B., «Saramago e Pessoa», Ler, n.o 6, Primavera 1989, pp. 22-24.

MARTINS, FRANCISCO, «O inverosímil segundo Saramago», Letras & Letras, n.o66, 4 de Maio de 1992, p. 13.

MARTINS, LOURDES CÂNCIO, CARVALHO, CÉLIA, SANTOS, PAULA PIRES e SILVA, HELENA, Reler Saramago – Paradigmas Ficcionais, Lisboa: Cosmos, 2005.

MARTINS, LUÍS ALMEIDA, «A Jangada de Pedra: fmalmente a condição ibérica», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 227, 10 de Novembro de 1986, p. 26.

MARTINS, WILSON, «Romancista da condição humana», Rio de Janeiro, O Globo, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 86-87.

MARUJO, ANTÓNIO, «Saramago e Frei Bento Domingues debatem o Evangelho segundo Jesus Cristo. Ei-lo quase canonizado!», Público, ed. Lisboa, n.o 636, 30 de Novembro de 1991, p. 27.

MATOS, JOAQUIM, «Objecto Quase — contos para adultos adulterados», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 11.

MEDINA, CREMILDA DE A., «José Saramago». In Viagem à Literatura Portuguesa Contemporânea. Rio de Janeiro: Nórdica, 1983, pp. 261-282.

— «Poesia e romance, numa integração total. E mágica.», O Estado de São Paulo, 24 de Novembro de 1984.

MELLID-FRANCO, LUÍSA, «“A folha de papel continua a ser, para mim, o lugar do homem”». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 53-65.

MELO, E. M. DE E. CASTRO, «Saramago entrevisto», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 108-123.

MELO, FILIPA, «A vida segundo José Saramago», Visão, n.o 299, 10 de Dezembro de 1998, pp. 122-136.

— «A obra em nome de Saramago», Visão, n.o 290, ed. especial, 9 de Outubro de 1998, pp. 20-24.

MEMORIAL DO CONVENTO – JOSÉ SARAMAGO, 25 ANOS DA 1.a EDIÇÃO (a recepção crítica da época), Editorial Caminho, 2007 (brochura comemorativa também dos 85 anos de José Saramago, com recensões críticas de Armando Silva Carvalho, Baptista-Bastos, Luís Francisco Rebelo e UrbanoTavares Rodrigues).

MENDES, HELENA MARGARIDA VAZ DUARTE, «Breve análise da recorrência proverbial – de Levantado do Chão a Todos os Nomes de José Saramago», Revista da Universidade de Aveiro – Letras, n.o19-20, 2002-2003, pp. 185-197.

MENDES, JOSÉ MANUEL, «A crítica do quotidiano em José Saramago». In Por Uma Literatura de Combate. Lisboa: Bertrand, 1975, pp. 267-270.

— «Uma obra suprema», Badajoz Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 163-166.

— «José Saramago: Livros do nosso desassossego», Diário de Notícias, supl. Livros/Cultura, 22 de Fevereiro de 1996.

— «De livro em livro», Camões, revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 6-8.

— «Diário de Estocolmo». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 53-65.

MENDES, NANCY MARIA, «Poder e ironia em Memorial do Convento», Belo Horizonte,

FALE/UFMG, Boletim do Centro de Estudos Portugueses, n.o 13, 1991, pp. 13-16.

MENDONÇA, FERNANDO, «José Saramago: A Noite», Colóquio-Letras, n.o58, Novembro de 1980.

MOIX, ANA MARIA, «El año de la muerte de Ricardo Reis», La Coruña, La Voz de Galicia, 26 de Dezembro de 1985.

MOLINA, CÉSAR ANTÓNIO, «Entre cielo y tierra», El País, 20 de Fevereiro de 1986.

—«Lisboa y la encarnación de un heterónimo», El País, 11 de Agosto de 1985.

— «Sólo sombras», Diario 16, supl. Libros, n.o 4640, 5 de Abril de 1990.

— «Una radiografia: Viaje a Portugal», Diario 16, supl. Libros, 19 de Dezembro de 1991, p. III.

— «Un ateísmo espiritual», Diario 16, supl. Libros, n.o 178, 29 de Maio de 1992.

— «Saramago o lo real imaginario», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 153-156.

MONTALBAN, VÁZQUEZ M., «O labirinto e a sua metáfora», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 25-27.

MONTEIRO, JOSÉ SOUSA, «Saramago, evangelista», Diário de Noticias, 29 de Novembro de 1991, p. 10.

MOREIRA, VITAL, «José Saramago, Memorial do Convento», Vértice, n.o 452, Janeiro/Fevereiro de 1983.

MOURA, VASCO GRAÇA, «1986: O ano do prémio de Saramago», Jorna lde Letras, Artes e Ideias, n.o212, 28 de Julho de 1986, pp. 8-9.

MOURÃO, JOSÉ AUGUSTO, «A litote do insuportável. Literatura e poder», Ler, Primavera/Verão, n.o 38, pp. 46-51.

NUNES, MARIA LEONOR, «Perfil. Uma vida com palavras», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, pp. 8-11.

NOGUEIRA, D. EURICO, Arcebispo de Braga, «O Evangelho do Saramago», Terras de Basto, 30 de Maio de 1992, p. 7.

OKAMURA, TOKIKO, «As obras que exprimem a confiança dos homens. Celebrar Saramago, Prémio Nobel da Literatura», Toquio, Aschi Shimbun, 13 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 79.

— «O olhar carinhoso e atento de José Saramago, Prémio Nobel da Literatura. O conjunto das obras magníficas, profundas e cheias de significado», Tóquio, Mainichi Shimbun, 13 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 81-82.

OLIVEIRA, ANABELA DINIS BRANCO DE, «O Outro – personagem sem nome? – Para uma definição do Outro em José Saramago», Letras & Letras, n.o 49, Junho de 1991, p. 13.

PACHECO, LUIZ, «Este sol é de justiça», Diário Popular, 10 de Julho de 1980. — «Migalhas e pão-de-ló», Diário Popular, 17 de Julho de 1980.

PALMA DOS REIS, FILIPA, «José Saramago e algumas tendências actuais do romance em Portugal», Peregrinação, n.o 12, Abril-Junho de 1986.

PALMA-FERREIRA, JOÃO, «José Saramago: Deste mundo e do Outro», Colóquio/Letras, n.o 6, 18 Março de 1972, pp. 83-84.

PEDROSA, INÊS, «O meu Deus é polícia e bate no teu», Expresso, a revista, n.o 1064, 20 de Março de 1993, p. 67.

PELOSO, SILVANO, «Quel fantastico rogo», L’Indice, n.o 3, 1984.

PERASSI, EMILIA, «Portogallo: Terra della fine», II Popolo, 20 [19?] de Abril de 1985.

PEREIRA, PAULO, «Inquisição: entre história e ficção na narrativa portuguesa», Colóquio/Letras, n.o 120, Abril-Junho de 1991, pp. 117-123.

PERRONE-MOYSÉS, LEYLA, «Saramago e um sobrevivente: Ricardo Reis», São Paulo, Jornal da Tarde, 30 de Novembro de 1985.

— «Romance de Saramago celebra fé na literatura», Folha de São Paulo, 18 de Janeiro de 1992, Letras, p. 6.

PICCHIO, LUCIANA STEGAGNO, «Nel Portogallo dell’Inquisizione c’era un gesuita che costruiva mongolfiere», La Stampa, supl., 4 de Agosto de 1984.

— «Il maltempo portoghese», Roma, L’Indice, n.o 2, 1986, p. 14.

— «Um evangelho concebido com paixão», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 520, 23 de Junho de 1992, p. 10.

— «II Vangelo secondo Saramago», La Repubblica, 1 de Maio de 1992.

— «El discurso oral de José Saramago: Un estilo como ideologia», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 135-139.

— «Esule alle Canarie», La Repubblica, 28 de Agosto de 1994.

— «L’incubo della vista perduta», La Repubblica, 7 de Junho de 1996, p. 34.

— «A história e a parábola», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 732, 21 de Outubro de 1998, p. 13.

— «O Nobel desembarca em Portugal», La Repubblica, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 36-38.

PINA, ÁLVARO, «José Saramago: Memorial do convento», Colóquio/Letras, n.o76, Novembro de 1983, pp. 83-84.

PÓLVORA, HÉLIO, «O peso da pedra, a leveza do ar», Jornal do Brasil, supl. Idéias, n.o133, 15 de Abril de 1989.

PONTIERO, GIOVANNI, «O Ano da Morte de Ricardo Reis», O Estado de São Paulo, n.o 447, 11 de Fevereiro de 1989, pp. 3-5.

— «The portuguese heritage: Joseph Saramagus, The year of death of Ricardo Reis», Lisboa, Associação Portuguesa Literatura Comparata, Estudos Literários (entre) Ciência e Hermenêutica, vol. 1, 1990, pp. 363-369.

— «José Saramago and O Ano da Morte de Ricardo Reis: the making of a masterpiece», Liverpool University, Bulletin of Hispanic Studies, vol. 71, n.o 1, Janeiro de 1994, pp. 139-148.

— «The many voices of José Saramago», Cultura (revista promovida pelo Instituto Camões, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Embaixada Portuguesa em Londres), n.o 13, Primavera de 1994, pp. 6-7.

— «Critical perceptions of Saramago fiction in the english-speaking world». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 233-253.

PORTO, CARLOS, «Em nome de todos os deuses», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 23 de Março de 1993, p. 14.

PRAÇA, AFONSO, «Em foco José Saramago. Os cercos de Lisboa», O Jornal, n.o 775, supl. O Jornal Ilustrado, 29 de Dezembro de 1989, pp. 10-11.

— «O Evangelho de Saramago na capela do Rato», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 491, 3 de Dezembro de 1991, p. 5.

PRADA, JUAN MANUEL DE, «“Leiam-me em voz alta”», Madrid, ABC, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 23-24.

PRADO COELHO, EDUARDO, «A companhia dos homens», Público, supl. Leituras, 23 de Abril de 1993, p. 12.

— «Um reino de palavras», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 732, 21 de Outubro de 1998, pp. 10-11.

— «A promise of happiness». In A voice against the silence. Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 10-13 (versão portuguesa, «Uma promessa de felicidade», in Uma Voz contra o Silêncio).

PRESEDO, ELVIRA S., «O romance de interveçom nas literaturas portuguesa e galega actuais (a propósito de Memorial de Convento de José Saramago)», Vértice, n.o 461, Julho/Agosto de 1984, pp. 32-43.

PRETO-RODAS, RICHARD, «A view of Eighteenth-Century Portugal: José Saramago’s Memorial do Convento», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1987.

— «José Saramago. A Jangada de Pedra», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1988.

— «José Saramago. História do Cerco de Lisboa», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1990.

— «José Saramago. O Evangelho segundo Jesus Cristo», Oklahoma, World Literature Today, Outono de 1992.

— «Cadernos de Lanzerote: Diário-III», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1997.

PUGA, ROGÉRIO MIGUEL, «José Saramago’s A Maior Flor do Mundo: Metafiction for Children», Portuguese Studies Review, Vol. 12, nº 1, pp. 189-194, Universidade de Trent, Canadá, Novembro de 2004.

RATTNER, JAIR, «Saramago: novo livro questiona Deus», Folha de S. Paulo, Seminário, 31 de Outubro de 1991.

REBELO, LUÍS DE SOUSA, «José Saramago — O Ano da Morte de Ricardo Reis», Colóquio/Letras, n.o 88, Nov. 1985, pp. 144-148.

— «Os rumos da ficção de José Saramago», préfacio às 2.a e 3.a edições de Manual de Pintura e Caligrafia, de José Saramago. Lisboa: Caminho, 1984 e 1985.

— «A Jangada de Pedra ou os possíveis da História», pósfacio à 2.a edição d’A Jangada de Pedra, de José Saramago. Lisboa: Caminho, 1986, pp. 333-349.

— «A consciência da História na ficção de José Saramago», Vértice, II série, n.o52, Janeiro-Fevereiro de 1993, pp. 29-38.

— «José Saramago: o realismo maravilhoso». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 49-62.

REBELLO, LUÍS FRANCISCO, «Para uma leitura de Memorial do Convento», o diário, 6 de Março de 1983.

REIS, CARLOS, «Memorial do convento e a emergência da História», Coimbra, Revista Critica de Ciências Sociais, n.os 18/19/20, Fevereiro de 1986, pp. 91-104.

— Romance e história depois da revolução: José Saramago e a ficção portuguesa contemporânea. In Encontro de Professores Universitários Brasileiros de Literatura portuguesa, XIV. Porto Alegre, 1992. Anais… Porto Alegre, 1994, pp. 169-18 1. Rep. in AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 23-36.

— «Contador dos dias», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 671, 3 de Julho de 1996.

— «Terra do pecado, 50 anos depois. Arqueologia de um romance», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, p. 15.

— «Cinco dias em Estocolmo». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 15-23.

REMÉDIOS, MARIA LUÍZA RIETZEL, «Sedução e prazer no romance de José Saramago», Belo Horizonte, Cadernos Cespus de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 42-49.

RESTREPO, LAURA, «Esa cosa que somos: de lo humano en Saramago», Carátula, revista electrónica cultural centro-americana, Julho de 2007.

RIDING, ALAN, «Prémio Nobel atribuído a romancista português. A “Realidade ilusória” de Saramago é louvada», Herald Tribune, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 63-64.

RISQUES, ISABEL, «Perfil: José Saramago. Deus ainda se vai arrepender», O Jornal, n.o 872, 8 de Novembro de 1991, p. 33.

RIVAS, MANUEL, «Obrigado Vaticano», El País, 10 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 30.

RIZZANTE, MASSIMO, «L’avenglement ou les voix», Paris, L’Atelier duRoman, n.o 13, 1987-1988.

ROCHA, CLARA, «O palácio do Rei-Pavão», Diário de Notícias, n.o 41, 9 de Novembro de 1983, p. V.

— «Saramago e a ficção sobre a ficção», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 13 de Novembro de 1984.

RODRIGUES, MIGUEL URBANO, «Mafra, a explicação de Portugal e o Memorial de Saramago», o 21diário, n.o 2486, supl. cultural, 31 de Agosto de 1983, p. 3.

RODRIGUES, URBANO TAVARES, «Um romance realista e fabuloso», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 52, 15 de Fevereiro de1 983.

— “Saramago e os Caminhos da Humanidade”, em O Texto sobre o Texto – uma visão sobre literatura portuguesa contemporânea, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001, pp. 231-232.

— “José Saramago e o Alentejo – O mundo da luz e da treva”, em O Texto sobre o Texto – uma visão sobre literatura portuguesa contemporânea, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp. 233-238.

RODRÍGUEZ-IBAÑEZ, JOSÉ E., «Saramago, Scorsese y Jesuscristo», El País, 16 de Março de 1993.

S/N, «Saramago no labirinto da história», Helsínquia, Hufvudstadsbladet, 9 de Outubro de 1998. Repr. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 55-57.

S/N, «O fantástico é apenas aquilo que não se sabe», A Capital, 12 de Novembro de 1986, p. 9.

SALADRIGAS, ROBERT, «Evangelio humano desde el respeto», La Vanguardia, 26 de Junho de 1992, Libros, p. 3.

SALLES, ALAIN, «Les cantates de Saramago. Quasi object», Le Monde, supl. Livres/idées, 29 de Junho de 1990, p. 35.

— «L’ile imaginaire de Saramago. Le radeau de pierre», Le Monde, 30 de Março de 1990, p. 17.

SAMPAIO, ERNESTO, «A realidade sempre renovada como um mistério redivivo», Diário de Lisboa, 19 de Abril de 1989, p. 22.

SANTOS, BEJA, «Coisas de José Saramago bloguer», Vértice, n.o 146, II série, Maio-Junho de 2009.

SARMENTO, JOAQUIM, “Revisitando Saramago”, em Fragmentos e Paixões, prefácio de Manuel Alegre. Lamego, Tipografia Minerva, 2006, pp. 136-138.

— “Saramago: Príncipe ou Soldado?”, em Fragmentos e Paixões. Lamego, prefácio de Manuel Alegre, Tipografia Minerva, 2006, pp.176-179.

SCALZO, FERNANDA, «Saramago apresenta seu Deus mesquinho», Folha de SãoPaulo, supl. Letras, 2 de Novembro de 1991.

SCHMITT, HANS-JÜRGEN, «Der maler-erzähler in der mangel der wörter», Süddeutsche Zeitung, supl. Literatur, n.o 76, 31 de Março de 1990.

— «Wenn den menschen die augen aufgehen», Süddeutsche Zeitung, 9 de Outubro de 1998.

SEABRA, AUGUSTO, «O Ano da Morte de Ricardo Reis», Expresso, 10 de Novembro de 1984.

SEGOLIN, FERNANDO, «O evangelho às avessas de Saramago ou o divino demasiado humano ou o Deus que não sabe o que faz», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 12-20.

SEIXO, MARIA ALZIRA, «José Saramago: Objecto Quase», Colóquio/Letras, n.o49, Maio de 1979, pp. 77-79.

— «Alteridade e auto-referencialidade no romance português de hoje», «Dez anos de ficção em Portugal», «Escrever a terra — sobre a inscrição do espaço ao romance português contemporâneo», «Perspectiva da ficção portuguesa contemporânea» e «Objecto Quase». In A Palavra do Romance. Lisboa: Horizonte, 1986.

— «Memorial do convento: entre a pedra e o som», publicado como parte do estudo introdutório da edição de Memorial do Convento. Lisboa: Círculo de Leitores, 1988.

— «História do Cerco de Lisboa ou a respiração da sombra», Colóquio/Letras, n.o 109, Maio-Junho de 1989, pp. 33-40.

— «Modernités insaisissables — remarques sur la fiction portugaise contemporaine», Dedalus, n.o 1, Dezembro de 1991, pp. 303-313.

— «Le fait de la fiction en littérature: Ricardo Reis et Pessoa chez Saramago», Dedalus, n.o 2, Dezembro de 1992, pp. 85-93.

— «O fantástico da história ou as vacilações da representação», O Fantástico na Arte Contemporânea, Acarte, Fundação Gulbenkian, 1992.

— «Narrativa e ficção: problemas de tempo e espaço na literatura europeia do pós-modernismo», Colóquio/Letras, n.o 134, Outubro-Dezembro de 1994, pp. 101 114.

— «L’imagination du voyage: Woolf, Michaux, Saramago. Enquêtes périodologiques», Actas dei IX Simposio de la Sociedad Española de Literatura general y Comparada, II. Saragoça: SELGYC, 1994.

— «Poétique de la ville: Robbe-Grillet, Calvino et Saramago», La Littérature et la Ville. Lisboa: Associação Internacional dos Críticos Litérarios, 1995.

— «Crónica sobre um livro anunciado: Ensaio sobre a cegueira», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 652, 11 de Outubro de 1995, pp. 11-12.

— «Paixão e manta dos diários», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o642, 24 de Maio de 1995, pp. 24-25.

— «Os espelhos virados por dentro: configuração narrativa do espaço e do imaginário em Ensaio sobre a Cegueira. In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 191-210.

— «Saramago e o tempo da ficção», comunicação apresentada ao colóquio «Literatura e história — Três vozes de expressão portuguesa — José Saramago, Hélder Macedo e Orlanda Amarílis», realizado na Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, em 11 de Abril de 1997. Publicado, com alterações, no Jornal de Letras, Artes e Ideias, 23 Abril de 1997, pp. 22-23. Rep. in AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 77-93.

— «O caso da mulher desconhecida», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 705, 22 de Outubro de 1997, pp. 25-26.

— «Lugar e deslocação em José Saramago» (inédito (?)).

SEMINARIO ITALO -PORTOGRESE, Viaggio intorno al convento di Mafra: dal Memoriale del Convento di José Saramago alla Blimunda di Azio Corghi. (a cura) di Piero Ceccucci, 1 a ed., Milano: Guerini, 1991.

SEMANA DE AUTORES SOBRE JOSÉ SARAMAGO, Madrid: Ediciones de Cultura Hispánica, Agencia Española de Cooperacíon Internacional, 1993.

SEPÚLVEDA, Torcato, «Trágedia e revolução», Público, supl. Leituras, 9 de Abril de 1993.

— «“Este Narciso que hoje se contempla…”», Público, supl. Leituras, 16 de Abril de 1994.

— «Blimunda, a feiticeira, voltou», Público, supl. Livros, 13 de Abril de 1996, p. 7. 23

SERANI, UGO, «Un romanzo microstorico», L’Indice, n.o 5, Maggio 1992, p. 17.

SERRA, UMBERTO, «I bagliori della storia», Il Mattino, 30 de Julho de 1984.

SHINA, KATERINA, «José Saramago, o compadecido…», (Grécia), I Kathimerini, 11 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 59-61.

SILVA, CARLOS H. DO C., «Reflexão sobre o romance o Evangelho segundo Jesus Cristo ou o Kakangélion de Saramago», Humanística e Teologia, vol. 13, n.o 1, 1992, pp. 73-8 1.

SILVA, REGINA CÉLIA, «Ironia e fingimento em O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago». In Duarte, Lélia Parreira, Ironia e Humor na Literatura. (Cadernos de Pesquisa n.o 15). Belo Horizonte: FALE/ /UFMG, 1994, pp. 7-19.

SILVA, RODRIGUES DA, «A Ibéria em busca dum destino», Diário Popular, supl. cultural, 11 de Novembro de 1986, p. 19.

SILVA, TERESA CRISTINA CERDEIRA DA, «José Saramago — a ficção reinventa a História», Colóquio/Letras, n.o 120, Abril-Junho de 1991, pp. 174-178.

— «O Quinto Evangelista ou da Tigela ao Graal», Vértice, II série, n.o52, 1993, pp. 17-21.

— «O Evangelho segundo Jesus Cristo ou a consagração do sacrilégio», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 50-60. Rep. in AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 1 63-176.

— «História e memória cultural: José Saramago e a sedução camoniana», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 145-149.

— «Saramago e Redol: referência e reverência». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 37-47.

SILVEIRA, JORGE FERNANDES DA, «Saramago por exemplos», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 2 1-25.

— «O bom romance português», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 148, 7 de Maio de 1985, pp. 3-4.

SIMAS-ALMEIDA, LEONOR, «Do Rio a Lisboa com Saramago e Ricardo Reis», Porto Alegre, Letras de Hoje, vol. 25, n.o 3, Setembro de 1990, pp. 75-84.

SIMÕES, MANUEL, «Saramago evangelista do ressentimento», Revista Brotéria, vol. 134, n.o 4, Abril de 1992, pp. 407-421.

— «A Europa vista de Portugal», Revista Brotéria, vol. 135, n.o 5, Novembro de 1992, pp. 363-385.

— «Saramago, “Em nome de Deus”», Revista Brotéria, vol. 138, n.o 2, Fevereiro de 1994, pp. 137-148.

— «Formas de cultura popular e irradiação semântica em Levantado do Chão». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 73-81.

SOUSA, HÉLDER, «Um escritor que ficará na história da literatura: peregrinação exemplar pelo exterior de um burguês», A Luta, n.o 625, 23 de Setembro de 1977, p. 15.

— «Quando o exercício da escrita é incompatível com a posição partidária», A Luta, n.o 626, 24 de Setembro de 1977, p. 13.

STAVANS, ILAN, «A fisherof men», The Nation, 16 de Maio de 1994.

STERN, IRWIN, «José Saramago: Memorial do Convento», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1984.

— «José Saramago: O Ano da Morte de Ricardo Reis», Oklahoma, World Literature Today, Primavera de 1986.

SUÑEN, LUÍS, «José Saramago: historia, ficción», Madrid, El Urogallo, Junho de 1986, pp. 72-74.

TABUCCHI, ANTONIO, «Arriva un personaggio che ha perso l’autore», La Repubblica, 8 de Fevereiro de 1986.

— «Frati, roghi e mongolfiere», La Repubblica, 15 [23?] de Junho de 1984.

TAVANI, GIUSEPPE, «Viagem abusiva de um filólogo nos universos saramaguianos», Vértice, II série, n.o 52, Jan./Fev. de 1993, pp. 5-12.

TAVARES, JOSÉ FERNANDO, «O tempo de José Saramago», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, p. 2.

— «Justificação e louvor da obra de José Saramago», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, pp. 3-4.

TEIXEIRA, Pe. GERALDO MAGELA, «Saramago um cristão inconfesso», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 7-11.

THOMAS, CRISTIAN, «Jangada das ficções. José Saramago recebe o Prémio Nobel de Literatura», Frankfurter Rundschau, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 47-49.

THORAU, HENRY, «Der name des klosters», Die Zeit, n.o 5, 23 de Janeiro de 1987.

TOLEDO, ROBERTO POMPEU DE, «Cristo e o Deus cruel», Veja, 6 de Novembro de 1991, pp. 90-96.

— «Atenção, obra-prima», Jornal do Brasil, supl. idéias, n.o 107, 15 de Outubro de 1988, pp. 6-9.

VALE, FRANCISCO, «Memorial do Convento: era uma vez um rei devoto um padre que queria voar e uma mulher com poderes», O Jornal, supl., n.o 414, 28 de Janeiro de 1983, pp. 12-13.

VALENTE, VASCO PULIDO, «O Evangelho segundo Saramago», Kapa, n.o 16, Janeiro, 1992, pp. 71-78.

VASCONCELOS, HELENA, «Todo o orgulho é vão no tempo», Elle, n.o 123, Dezembro de 1998, pp. 78-83.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «A(s) história(s) de um grande romance», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 354, 18 de Abril de 1989, p. 9.

— «Enfim, um Nobel em português», Visão, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, p. 25.

VECCHI, ROBERTO, «La città invisibili di Levantado do chão». In AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 83-100.

VENÂNCIO, FERNANDO, «Que farei com este Cerco?», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 368, 25 de Julho de 1989, pp. 6-8.

— «Moço promissor», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, pp. 14-15.

— «Os primeiros leitores de Saramago», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 159-162. Revisto in Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 644, 21 de Junho de 1995, p. 28.

— «Os primeiros leitores de Saramago (conclusão): A história em flagrante», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 5 de Julho de 1995, p. 28.

— «Memorial do Convento: um ano de crítica». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 109-119.

VENTURA, MÁRIO, «Memorial do Convento — o fantástico da realidade», Diário de Notícias, n.o 41 695, 28 de Abril de 1983.

VIÇOSO, VÍTOR, «Desafio ambicioso de Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o520, 23 de Junho de 1992, p. 9.

VIEGAS, FRANCISCO JOSÉ, «Voar sobre o tempo», Semanário, 6 de Maio de 1989.

— «Uma biografia de Jesus, segundo José Saramago», Ler, n.o 16, Outono de 1991, pp. 26-34.

— «Ensaio sobre a loucura do mundo», Visão, 2 de Novembro de 1995, pp. 95-96.

— «O nome volátil», Diário de Notícias, supl. DNA, 1 de Novembro de 1997, p. 51.

— «Antes de mais: este prémio é para Saramago», Ler, n.o 43, Verão-Outono de 1998.

VILAS-BOAS, MANUEL, «Evangelho de Saramago: “Não é honesto mas é comercial”», O Jornal, n.o 873, 15 de Novembro de 1991, p. 5.

VON BRUNN, ALBERT, «Aus protugiesischer vergangenheit — José Saramago: Memorial do Convento», Neue Züricher Zeitung, Fevereiro de 1983.

— «José Saramago: Das Memorial des Kloster von Mafra», Zurique, Orientierung, n.o 18, Setembro de 1986.

— «Der Stuhl», Zurique, Orientierung, n.o 22, 30 de Novembro de 1995, pp. 247-248.

— «Pessoa und seine Masken. José Saramago: Das Todesjahr des Ricardo Reis», Neue Zürcher Zeitung, n.o 90, 19 de Abril de 1985, p. 39.

WINDER, ROBERT, «Death in Lisboa: a Poet disintegrates», The Independent, 7 de Agosto de 1992.

WHITE, EDMUND, «The subversive proofreader», The New York Times Book Review, 13 de Julho de 1997, p. 11.

WHYMAN, MATTHEW, «More satanic verses», Litterary Review, Setembro de 1993, p. 40.

YONG-JAE, KIM, «O mundo literário de José Saramago», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 100.

ZÉKIANE, STEPHAN, «Prosadores portugueses: José Saramago», Prétexte, n.os 18/19, 1998. Repr. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 98-99.

ZENITH, RICHARD, «Carta de Lisboa», Times Literary Supplement, 23 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 65-68.

ZERLANG, MATIN, «Så til søs!», Copenhagen, Information, 28 de Novembro de 1990, p. 8.  

Notícias e depoimentos

ARIAS, JUAN, «O amor impossível», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de
Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 128-29.

BAPTISTA-BASTOS, «Retratos com palavras. Um homem vem a subir a rua», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 9-11. Também in Tempo Livre, Novembro de 1998.

BENEDETTI, MARIO, «A coragem de José Saramago» (Uruguai), Brecha, 16 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 83-85.

BENITE, JOAQUIM, «Memorial de A Noite», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

CARVALHO, ANTÓNIO, «As rosas fizeram a vez dos cravos», Diário de Notícias, n.o47 316, 9 de Outubro de 1998, p. 5.

CARVALHO, MÁRIO DE, «Um homem tranquilo», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o732, 21 de Outubro de 1998, p. 12.

CONTE, RAFAEL, «Um grande escritor comprometido», Madrid, ABC, 8 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 19-21.

CORTY, BRUNO, «Um Nobel indiscutível. José Saramago, uma obra barroca e subtil», Le Figaro, 9 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 41-42.

COSTA, HORÁCIO «José Saramago é o suco da Barbatana da língua portuguesa», Folha de São Paulo, 10 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 87-89.

COSTA E SILVA, ALBERTO «“Dói-me o mundo”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o737, 30 de 27 Dezembro de 1998.

COUTO, MIA, «A desbagagem do viajante», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

DACOSTA, FERNANDO, «Um “Evangelho” de referência», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 520, 23 de Junho de 1992, p. 9.

DELGADO, PAULO, «O português na Suécia», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de1998, pp. 92-93.

EDITORIAL, «Uma escolha nobre», Copenhaga, Berlingske Tidende, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 54.

ESPMARK, KJELL, «Justificativo do nobel», texto proferido no momento da entrega do galardão. Rep. in Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 15-16.

FILIPE, LUÍS, «O último a saber», Visão, Ed. especial Nobel 98, n.o 290a, 9de Outubro de 1998, pp. 8-11.

FO, DARIO, «José Saramago, o meu “herdeiro”», Corriere della Sera, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 35.

FRANÇA, JOSÉ-AUGUSTO, «Meu caro Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 517, 2 de Junho de 1992, p. 10.

FRANZÉN, LARS-OLOF, «Uma escolha segura depois de alguns prémios polémicos», Estocolmo, Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 14-16.

FUENTES, CARLOS, «Saramago em Jalisco», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 94-95.

GOYTISOLO, JUAN, «José Saramago», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.o 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 8 1-82.

GRILO, JOÃO MÁRIO, «A obra explica o autor», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 21.

— «Sah-rah-mah-go», Visão, n.o 291, 15 de Outubro de 1998, p. 114.

GUSTAFSSON, MADELEINE, «A inspiração decorre da voz interior», Estocolmo, Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 16-17.

KARACS IMRE, «Grande favorito ganha Prémio Nobel da Literatura», Londres, The Independent, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 62-63.

LEME, CARLOS CAMÂRA, «Os diálogos de Lanzarote», Público, n.o 2519, 3 de Fevereiro de 1997, pp. 22-23.

LOPES, ÓSCAR, «Luz e cegueira», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

LOURENÇO, EDUARDO, «A mão esquerda de Deus…», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

— «A noite dos Reis», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 17-18.

MARCELO, J. J. ARMAS, «Saramago ou a profecia de Todos os Nomes», ABC, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 21-22.

MARTINS, ADRIANA ALVES DE PAULA, «Memorial do Convento: palimpsesto de uma história não oficial»,Vila Real, Boletim Cultural da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, n.o 2, Agosto de 1991.

MATA, INOCÊNCIA, «Um Nobel plural», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, p. 24.

MELO, ANTÓNIO, «Álvaro Cunhal sobre o seu camarada José Saramago: “Muito original e não me parece fácil de imitar”», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 7.

MENDES, JOSÉ MANUEL, «Uma rosa à beira-neve», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, p. 18.

MONTERO, GARCIA LUÍS, «Contra a corrente», El Mundo, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro Dezembro de 1998, pp. 32-33.

MORENO, RICARDO e MORA, ROSA, «Saramago logra el primer Nobel en portugués», El País, n.o 7817, 9 de Outubro de 1998, p. 42.

MOSS, STEPHAN, «Parábolas das políticas do poder em Portugal ganham Prémio Nobel», Londres, The Guardian, 9 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 69-70.

PACHECO, FERNANDO ASSIS, «A ilha de Saramago», Visão, n.o 1, 25 de Março, 1993, pp. 80-83. Repub. no n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 28-30.

PASTOR, ALEXANDRE, «Um prémio a contento de todos», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 6.

PEPETELA, «Dar cara à luta», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

PROENÇA, HÉLIO, «O prémio Nobel», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, p. 7.

QUEIRÓS, MIGUEL LUÍS, «A Jangada de Pedra é um romance falhado», Público, supl. Cultura, 13 de Abril de 1992, p. 35.

RAMIREZ, SÉRGIO, «D. José», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 96-97.

REIS, CARLOS, «Palavras para uma homenagem nacional», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 101-104.

— «Saramago: o efeito Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998. pp. 22-23.

ROBERTS, MARTIN, «O Mexicano Fuentes louva Prémio Nobel de Saramago» (Tailândia), Bangkok Post, 10 de Outubro de 1998. Repr. iN Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 76.

S/N, «Homenagens de todo o mundo», Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 13-14.

S/N, «A José Saramago, primeiro Nobel de literatura atribuído a Portugal» (Grécia), I Kathimerini, 11 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 58.

S/N, «O português premiado», O Estado de São Paulo, 10 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro Dezembro de 1998, pp. 89-90.

S/N, «Como é na realidade a Lushan Mountain» (China), Beijing Evening News, 17 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 78.

S/N, «Saramago no “index” da SEC», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 513, 5 de Maio de 1992, p. 3.

S/N, «Saramago aceita prémio mas dinheiro vai para os PALOP», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 520, 23 de Junho de 1992, p. 8.

S/N, «José Saramago, Nobel laureate: a tribute to José Saramago, 1998 Nobel Literature Laureate», The American Association of Teachers of Spanish, Hispánia, vol. 82, n.o 1, Março de 1999.

SALMAURY, MOAMED, «Saramago e a comunidade dos cegos» (Egipto), Al-Ahram Hebdo, 28 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 71-73.

SEIXO, MARIA ALZIRA, «O essencial e o circunstancial. Uma harmonia», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 14-15.

TELES, VIRIATO, «Saramago: autor do século XVIII», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 41 412 de Junho de 1990, p. 30.

TELLES, LÍGIA FAGUNDES, «Há muito que Deus se agrada das tuas obras», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

TORRES, ALEXANDRE PINHEIRO, «A sorte grande», Público, ed. Lisboa, n.o3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «No reino de Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 8-9.

— «José Saramago, Prémio Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 2.

VICENT, MANUEL, «Saramago», El País, 11 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 31-32.

VIEIRA, ALICE, «Crónica de um Nobel (não) anunciado », Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 5.

VILA-MATAS, ENRIQUE, «O ritmo Antigo», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 30.

ZOON, CEES, «O mundo é infinitamente cruel e sem engagement», Amsterdam, De Volkskrant, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 50-52.

Notas sobre espectáculos teatrais e musicais

AZEVEDO, MANUELA, «Que Farei com Este Livro?», Diário de Notícias, 24 de Outubro de 1980.

BARBAS, HELENA, «Em nome de Saramago», O Independente, 2 de Abril de 1993, pp. 54-55.

BRAMANI, LIDIA, «La nuova opera di Corghi», Ricordi oggi, n.o 2, Setembro de 1993, p. 5.

CARVALHO, MÁRIO VIEIRA DE, «Blimunda ou a paixão de Baltazar, segundo Scarlatti», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 411, 29 de Maio de 1990, pp. 22-23.

— «Blimunda e Divara», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 732, 21 de Outubro de 1998.

FOLETTO, ANGELO, «Il volo folle di Blimuada», La Repubblica, 22 de Maio de 1990.

— «Lazzaro miracolo ia note», La Repubblica, 14 de Abril de 1995, p. XVI.

KRETER, SABINE, «Die polygamistenn im Neuen Jerusalem», Frankfurter Allgemeine Zeitung, 11 de novembro de 1993.

LUÍS, SARA BELO, «Memorial do Convento em teatro: as figuras de Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 747, 19 de Maio de 1999, p. 5.

MAIA, MARIA ARMANDINA, «Blimunda, o Orfeo no feminino ou passagem de Blimunda por Itália», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 105-107.

MANZONI, TERESA, «E a palavra se fez música», Jornal de Letras, Artes e Ideias, ed. extra Prémio Nobel, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 18.

MENDES, JOSÉ MANUEL, «Blimunda (um breve adágio pessoal)», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 9.

PASI, MARIO, «Canta Blimunda dal fascino crudele», Corriere della sera, 22 de Maio de 1990.

PETAZZI, PAOLO, «Quel terribile assedio di Münster», L’ Unitá, 7 de Novembro de 1993.

POLACZEK, DIETMAR, «Die Lusitanische flugmaschine», Frankfurter AllgemeineZeitung, n.o 121, 26 de Maio de 1990, p. 29.

PORTO, CARLOS, «Teatro: Memorial do Convento», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 748, 2 de Junho de 1999, p. 37.

REBELLO, LUIZ FRANCISCO, «E o dramaturgo?», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 737, 30 de Dezembro de 1998, p. 18.

REININGHAUS, FRIEDER, «Taufwasser mit ketzerblut», Süddeutsche Zeitung, 16 de Novembro de 1993.

S/N, «José Saramago: Blimunda nome com música», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 410, 15 de Maio de 1990, p. 29.

SCHEUERMANN, STEFAN, «Em nome de Saramago», exclusivo Público/El País, in Público, 12 de Novembro de 1993.

STRUCK-SCHLOEN, MICHAEL, «Die vergewaltigung einer lehre», Die Zeit, n.o 45, 5 de Novembro de 1993.

TEDESCHI, RUBENS, «Blimunda, strega rivoluzionaria», L’Unitá, 22 de Maio de 1990.

VENÂNCIO, FERNANDO, «Divara, a ópera de Azio Gorghi/José Saramago. A dança dos pervertidos», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 592, 9 de Novembro de 1993, pp. 8-9.

VIANA, MÁRIO, «Os heróis deslocados de José Saramago», Estado de São Paulo, 21 de Junho de 1998.

VIDA, JOAQUÍN, «Saramago: Un compromiso ético en una estructura teatral medrosa», Madrid, Primer Acto, n.o 26 Setembro-Outubro de 1996, pp. 62-63.  

Entrevistas

ALAMEDA, SOL, «José Saramago», El País, supl. El País Semanal, n.o 1157, 29 de Novembro de 1998, pp. 14-22.

— «José Saramago. El deber de ser portugués», El País, supl. El País Semanal, n.o 628, 23 de Abril de 1989, pp. 24-30.

ALVES, CLARA FERREIRA, «José Saramago todos os pecados do mundo», Expresso, a revista, n.o 1200, 28 de Outubro de 1995, pp. 80-86.

— «Saramago numa jangada de pedra», Lisboa, Contraste, n.o 5, Junho de 1986.

— «Saramago: “No meu caso, o alvo é Deus”», Expresso, a revista, 2 de Novembro de 1991, pp. 82-87.

— «José Saramago. Uma certa ideia da Europa», Expresso, a revista, 7 de Agosto de 1993, pp. 26-29.

ALVES, CLARA FERREIRA, BELARD, FRANCISCO e SEABRA, AUGUSTO M., «A felicidade de ser ibérico», Expresso, a revista, 8 de Novembro de 1986, pp. 36-39.

AMANTE, NINO, «Spettatore nella bufera», Palermo L’ Ora, 6 de Dezembro de 1985.

AMAYA, FABIO RODRIGUEZ, «La veritá é barocca», L’ Unitá, 3 de Setembro de 1986.

BLANCO, MARIA LUÍSA, «O poder pode dormir descansado», Cambio 16, n.o 1133, 9 de Agosto de 1993, pp. 40-42.

CAIRO, CARLOS VILLANES, «José Saramago: poética, deuda y compromiso», Madrid, Delibros, n.o 115, Novembro 1998, pp. 48-49.

CARVALHO, ANA MARIA F. DE, «Portugal e Brasil, desunião cultural», São Paulo, Pau Brasil, n.o II, Março-Abril de 1986.

CARVALHO, MÁRIO VIEIRA DE, «José Saramago, a próposito de Objecto Quase. “Todo o real é inquietante”» Diário de Lisboa, 1 de Junho de 1978, p. 10.

CARVALHO, J. RENTES DE, «We zullen ia flinterduane plakjes worden gesneden», Amsterdam, De Volkskrant, supl. cultural, 10 de Março de 1989, p. 3.

CASTELLO, JOSÉ, «“A gente, na verdade, habita a memória», O Estado de São Paulo, supl. Caderno 2, n.o 3513, 21 de Setembro de 1996, pp. 4-5.

COIMBRA, SÉRGIO (conversa entre José Saramago e Padre António Vaz Pinto): «Por amor de Deus.», Vida 3, supl. de O Independente, n.o 186, 6 de Dezembro de 1991, pp. 18-23.

CORREIA, ALEXANDRE, «José Saramago em discurso directo: “Sou a pessoa mais banal deste mundo”», Lisboa, NT («Centrais»), 23 de Maio de 1984.

CORREIA, PEDRO, «A vida é um romance», Lisboa, Tempo, 7 de Dezembro de 1984.

CORTES, CORTES FERNANDO, «José Saramago. El compromiso», Frontera, n.o 4, Outuno de 1988, pp. 45-50.

COSTA, JORDI, «La Isla Iberica. Entrevista con José Saramago», Quimera, n.o59, [s/d].

COURI, NORMA, «“Cristo foi um mártir com culpas”», Jornal do Brasil, supl. Idéias/Livros, 2 de Novembro de 1991, pp. 6-7.

— «“1936 era o ovo da serpente”», Jornal do Brasil, supl. Idéias, n.o 107, 15 de Outubro de 1988, pp. 6-7.

CRUZ, JUAN, «“la fama me permite llegar más cerca de las personas”», El País, n.o 7817, 9 de Outubro de 1998, pp. 46-47. Trad. parte do artigo in Expresso, 10 de Outubro de 1998, p. 13.

DACOSTA, FERNANDO, «José Saramago: “Escrever é fazer recuar a morte, é dilatar o espaço da vida”», Jornal de Letras, Artes e Idéias, n.o 50, 18 de Janeiro de 1983, pp. 16- 17.

DEL BARRIO, LUÍS MIGUEL, «José Saramago: “No creo en Dios pero considero que las religiones han construido el mundo”», ABC, 23 de Maio de 1993, p. 95.

DURAN, CRISTINA, «In nomine Dei», Jornal da Tarde, 24 de Julho de 1993.

DURAN, JAVIER, «“Temo que los derecho humanos queden condicionados por la burocracia total”», La Vanguardia, 10 de Maio de 1998.

FANO, NICOLA, «Il Portogallo immaginario», L’Unitá, 25 de Abril de 1985. — «Portogallo, la mia isola che non c’é», L’Unitá, 12 de Abril de 1991.

GARCIA, JOÃO, «Saramago: o escritor não quer ser cercado», O Jornal, supl. O Jornal Ilustrado, n.o 739, 21 de Abril de 1989, pp. 42-45.

GASTÃO, ANA MARQUES, «A doença da razão», Diário de Notícias, supl. Artes, 28 de Outubro de 1995, pp. 28-29.

GAUDEMAR, ANTOINE DE, «Saramago concede um prémio ao Nobel», Libération, 6 de Novembro de 1998. Rep.de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 42-44.

GÓMEZ, JOSÉ MARTI, «José Saramago: “La felicidad es tan sólo una invención para hacer la vida más soportavel”», Barcelona, La Vanguardia, 25 de Fevereiro de 1986.

GÓMEZ, JOSÉ MARTI, RAMONEDA, JOSEP, «José Saramago, un discurso solitario», La Vanguardia, 13 de Outubro de 1987.

GONÇALVES, ANTÓNIO FILHO, «Saramago escreve a parábola da indiferença», O Estado de São Paulo, 18 de Outubro de 1995.

GUSMÃO, MANUEL, «Entrevista com José Saramago», Vértice, n.o 14, Maio de 1989, pp. 85-99.

IBORRA, JUAN, «José Saramago: Y el hombre creó a Dios», El Dominical, 18 de Novembro de 1990, pp. 8-14.

JABOR, ARNALDO, «José Saramago defende literatura “sincera”», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 15 de Agosto de 1992, p. 4.

JINKINGS, IVANA, «Saramago. Deus é o grande vilão», Brasil Agora, n.o 17, 15 Junho de 1992, pp. 17-19.

JITRIK, NOÉ, «Conversacióa en La Habana», Revista de la Biblioteca de México, n.o 11-12, Setembro de 1992.

LARCHEN, FREDERIC, «Images mythiques et identité», Art et Culture, Setembro de 1991, p. 9.

LETRIA, JOSÉ JORGE, «José Saramago fala de Memorial do Convento — “A língua que uso nos romances faz corpo com aquilo que conto”», o diário, supl. cultural, n.o 2213, 21 de Novembro de 1982, pp. 6-7.

MARCOALDI, FRANCO, «Lisbona a voce alta», La Repubblica, supl. Cultura, 17 de Março de 1992.

MARRONE, GIANFRANCO, «“Portogallo mio, tra Europa e Terzo Mondo”», Palenno, Giornale da Sicilia, 10 de Dezembro de 1985.

MOLINA, CESAR ANTÓNIO, «“Toda mi obra es una meditación sobre el error”», Diario 16, supl. Cultura, 7 de Abril de 1990, p. 21.

— «José Saramago: “Los vínculos de Portugal coa una España federativa provocarían una revisíon total de la relacíon”», Diario 16, supl. Cultura, 11 de Fevereiro de 1989, pp. 1-3.

MORENO, SEBASTIAN, «“Si fue dios quien me inspiró esta novela, se arrepentirá”», Tiempo, 18 de Maio de 1992, pp. 176-178.

NETTO, ARAÚJO, «A saga dos Mau-Tempo: O descobrimento do Macondo Português», Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 21 de Maio de 1983.

NIGRO, RAFFAELE, «Io, Saramago Nobel nel mare dell’utopia», La Gazzetta del mezzogiorno, 9 de Outubro de 1998, p. 17.

NUNES, MARIA LEONOR, «José Saramago. O escritor vidente», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 653, 25 de Outubro de 1995, pp. 15-17.

PEDROSA, INÊS, «José Saramago: “A Península Ibérica nunca esteve ligada à Europa”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 227, 10 de Novembro de 1986, pp. 24-26.

PIMENTA, ÂNGELA, «Na rota da latinidade», Folha de São Paulo, 2 de Dezembro de 1986.

PLAZA, J. M., «José Saramago: “Entre la España y Portugal ha habito una desconfianza mutua que comienza a desaperecer”», Madrid, Diario 16, 20 de Fevereiro de 1986.

PONTIERO, GIOVANNI, «Interview with José Saramago», PN Review, vol. 16, n.o 4, 1989.

RATTNER, JAIR, «Companhia das Letras lança livro de Saramago sobre Jesus Cristo», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 27 de Outubro de 1991.

REIS, CARLOS, «Diálogo inédito: O momento decisivo», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 16-17.

RODRIGUES, ANTÓNIO, «Saramago defende Ensaio sobre a Cegueira», A Capital, 2.a série, n.o 8672, 4 de Novembro de 1995, pp. 22-23.

RODRIGUEZ, JUAN MARIA, «José Saramago. El ojo en la lupa», Diario 16, 1 de Setembro de 1991, Cultura, p. 42.

RODRIGUES-AMAYA, FABIO, «La veritá é barocca», L’Unitá, 3 de Setembro.

S/N, «José Saramago: a escrita narcísica por excelência», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 613, 13 de Abril de 1994, pp. 4-5.

S/N, «A mais necessária das palavras», Porto Alegre, Zero Hora, 12 de Abril de 1997, pp. 4-5.

S/N, «“Estou ao meio daqueles que não contam a vidinha”», Belo Horizonte, Suplemento Literário Minas Gerais, n.o 1102, 16 de Julho de 1988, pp. 8-10.

S/N, «Entrevistas ao JL: um escritor confessa-se», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 24-27.

S/N, «Discurso directo: as palavras do viajante», Visão, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 18-19.

SALVADOR; JOSÉ A. e SILVA, RODRIGUES DA, «O autor está triste quando escreve sobre a tristeza de há 50 anos», Diário Popular, n.o 14 562, 7 de Dezembro de 1984, pp. 28-29.

SAMPAIO, ERNESTO, «Parece mal que o escritor viva do que escreve», Lisboa, Ler e Escrever, n.o 241, 20 de Fevereiro de 1986.

SANTA CECÍLIA, CARLOS G., «José Saramago recrea la construcción de un convento en el Portugal del siglo XVIII», El País, 20 de Fevereiro de 1986.

SEABRA, AUGUSTO M., «José Saramago: o regresso de Ricardo Reis», Expresso, a revista, 24 de Novembro de 1984, pp. 3 1-34.

SEPÚLVEDA, TORCATO, «Deus quis este livro», Público, ed. Lisboa, n.o 608, 2 de Novembro de 1991, pp. 28-29.

— «José Saramago: “O homem não tem remédio”», Público, ed. Lisboa, 4 de Janeiro de 1991, pp. 10-11.

— «José Saramago critica responsáveis da cultura: “É a terceira vez que sou censurado”», Público, 10 de Maio de 1992, pp. 40-41.

SERRA, ELÍAS, e PLANELLS, JOSÉ, «José Saramago: um pessimista positivo», Lisboa, Boca Bilingue, n.o 8, Janeiro 1993, pp. 4-15.

SILVA, RODRIGUES DA, «O homem faz-se a si próprio», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, pp. 11-14.

STERN, IRWIN, «A conversation with José Saramago», Camões Center Quarterly, vol. 5, n.o 3-4, 1995, pp. 48-55.

SUCKMAN, HUGO, «Consciência às cegas», O Globo, 18 de Outubro de 1995.

TOCCO, VALERIA, e CASTANHINHO, JOSÉ ARLINDO (a cura di), «I Vangeli riscritti da un ateo: Incontro con José Saramago», Linea d’ombra, n.o 79, Fevereiro de 1993, pp. 61-65.

VALE, FRANCISCO, «José Saramago sobre o Ano da Morte de Ricardo Reis: “Neste livro nada é verdade e nada é mentira», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 121, 30 de Outubro de 1984, pp. 2-3.

VALLORA, MARCO, «Saramago librettista di se stesso», 1l Giornale, 15 de Maio de 1990.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «José Saramago: “Gosto do que este País fez por mim”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 354, 18 de Abril de 1989, pp. 8-10.

— «José Saramago: “Deus é o mau da fita”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 487, 5 Novembro de 1991, pp. 8-10.

VIEGAS, FRANCISCO JOSÉ, «José Saramago: “Olho as coisas pela primeira vez”», Ler, n.o 6, Primavera 1989, pp. 15-21.

— «José Saramago on himself and the world». In A voice against the silence. Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 30-39.

— «Alguns dos nomes de José Saramago». In Uma Voz contra o Silêncio, Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 30-39 (versão inglesa, in A voice against the silence).

VOLTERRANI, EGI, «Lettore, la veritá é un gioco», 1l Mattino, supl. Cultura, 14 de Outubro de 1990, p. 19.

WITTWER, ERIKA, «“Ich will kein europäer werden. Ich bin Portugiesisch”», Tages Anzeiger, 25 de Setembro de 1989, p. 13.

XAVIER, LEONOR, «José Saramago defende: Existe uma nova relação entre o escritor e o público», Diário de Notícias, supl. cultural, 30 de Abril de 1989, pp. 5-7.

Anúncios
%d bloggers like this: