O Ano de 1993

Portugal:

fjsfjs

Editorial Caminho

1987 (ilustrações de Graça Morais), 3.a ed., 2007 (ilustrações de Rogério Ribeiro)Editado pela primeira vez em 1975, a reedição da Caminho, vinte e dois anos depois, vem acompanhada pelos desenhos do pintor Rogério Ribeiro. São pequenas histórias a formarem uma só. Una e intacta. Poesia a lançar já pontes para a ficção. Sem rima, fraseada, falando do futuro da própria escrita do autor. Poemas de alerta, mas de esperança, também, apesar do desespero que reside no seu fundo ainda lírico e iniciático. “O interrogatório do homem que saiu de casa depois da hora de recolher começou há quinze dias e ainda não acabou / Os inquiridores fazem uma pergunta em cada sessenta minutos vinte e quatro por dia e exigem cinquenta e nove respostas diferentes para cada uma / É um método novo / Acreditam que é impossível não estar a resposta verdadeira entre as cinquenta e nove que foram dadas / E contam com a perspicácia do ordenador para descobrir qual delas seja e a sua ligação com as outras / (…) / O homem que saiu de casa depois da hora de recolher não dirá porque saiu / E os inquiridores não sabem que a verdade está na sexagésima resposta / Entretanto a tortura continua até que o médico declare / Não vale a pena.”

Edições estrangeiras:

Argentina:

fjsAlfaguara 2010 (Trad.: Ángel Campos Pámpano)(incluído na obra Poesía completa)

«Cerremos esta puerta.

Lentas, despacio, que nuestras ropas caigan

Como de sí mismos se desnudarían dioses.

Y nosostros lo somos, aunque humanos.»

José Saramago

Este volumen reúne, en edición bilingüe, toda la poesía producida por el Premio Nobel de Literatura 1998: desde los primeros poemas escritos a los veinte años al libro El año de 1993, publicado en 1975, volumen donde se asoman ya los temas y obsesiones que llegarían a ser la columna vertebral de su obra novelística.

Poemas filosóficos, poemas de amor sobre personajes literarios y sobre el mundo contemporáneo, en todos ellos se descubre la identidad de este maestro de la literatura universal.

Brasil:

fjsCompanhia das letras 2007Em O ano de 1993 o leitor encontrará um José Saramago diferente, mas não menos brilhante. Em lugar do estilo caudaloso de seus romances mais conhecidos, Saramago lança mão aqui de uma escrita sintética, feita de elipses e sugestões, no limiar entre a prosa narrativa e a poesia. Num mundo não nomeado, em que as cidades foram destruídas, ocupadas por lobos ferozes ou dominadas por obscuras forças invasoras, personagens anônimos se deslocam em hordas pelos campos, montanhas e desertos. Embora a ação se passe no ano de 1993 (que à época da escrita do livro estava no futuro), eles parecem atravessar eras da história humana, da pré-história aos nossos dias. Nesse estranho cenário, os homens desaprendem e reaprendem a dominar o fogo, esquecem e recuperam o sentido do amor, e animais biônicos são desenvolvidos para fins de perseguição e opressão política. Imaginação solta e escrita rigorosa fazem o encanto desta parábola singular. Embora não seja escrito propriamente em versos, mas em períodos breves, com extrema liberdade de sintaxe e pontuação, O ano de 1993 é normalmente classificado como o terceiro e último livro de poesia do autor. Pode ser visto como o momento de passagem para a prosa narrativa que, nas décadas seguintes, encantaria os leitores de todo o planeta.

Espanha:

fjsAlfaguara 2005 (Trad.: Ángel Campos Pámpano)(incluído na obra Poesía completa)

Cerremos esta puerta.

Lentas, despacio, que nuestras ropas caigan

Como de sí mismos se desnudarían dioses.

Y nosotros lo somos, aunque humanos.

José Saramago

Del Oeste 1997 (Trad.: Ángel Campos Pámpano)

França:

Brémond (a publicar)

Itália:

ETS 1993 (Trad.: Domenico Corradini Broussard)
fjsEinaudi 2001Trasognate prose poetiche o allucinanti poemi in prosa, i trenta capitoli dell’Anno mille993 appaiono caratterizzati, almeno al principio, da un tempo presente che conferisce a ogni segmento una statica immobilità, un’aura atemporale fortemente simbolica. Utopia negativa, visione di un futuro di nefasta e inevitabile deriva, quest’opera di Saramago parrebbe riallacciarsi nel titolo al 1984 di Orwell. Ma se la cosmovisione di Orwell nasceva dalla delusione per la deriva in senso autoritario della rivoluzione socialista, il nucleo della prima ispirazione di Saramago è, come sempre, la sua opposizione al regime salazarista. Anche se, nella stesura definitiva del libro, realizzata già dopo la caduta del fascismo in Portogallo, egli si preoccuperà di dare al suo testo un carattere universalistico forse assente dal progetto iniziale pensato nel 1974, proprio alla vigilia della «rivoluzione dei garofani». Ad accentuare questa connotazione universalista dell’opera c’è anche la sua dimensione pittorica. Scrittore sensibile alle arti visive, Saramago concepisce questo suo testo stravagante come una successione di diapositive scelte in un settore ben delimitato della pittura europea (Dalí, De Chirico) e proiettate nella loro staticità sulla parete bianca con un automatismo onirico capace di bloccare in una luce materica le immagini evocate nello spazio.

México:

Alfaguara (incluído na obra Poesía completa)Como debe ser al editar poesía escrita en otra lengua, esta obra ofrece a los lectores, en las páginas pares, los poemas en su versión original en portugués, y en las nones la traducción al español. Los temas del poeta son la condición humana, el sentido de la vida y de la muerte y, de manera notable, la intensidad del encuentro erótico.
Anúncios
%d bloggers like this: